sábado, 31 de janeiro de 2015

REZAR & MEDITAR

SALMO 111

Hino às Obras de Deus

 


Aleluia!
Louvarei o SENHOR de todo o coração,
no conselho dos justos e na assembleia.
Grandes são as obras do SENHOR,
Dignas de meditação para quem as ama.
As suas obras têm majestade e esplendor;
a sua justiça permanece para sempre.
Deixou-nos um memorial das suas maravilhas.
O SENHOR é bondoso e compassivo;
Dá sustento aos que o temem
E jamais se esquece da sua aliança.
Revelou ao seu povo o poder das suas obras,
Dando-lhe a herança das nações.
As obras das suas mãos são retas e justas,
São imutáveis todos os seus preceitos.
Foram estabelecidos pelos séculos dos séculos
e baseiam-se na verdade e na retidão.
Enviou a redenção ao seu povo,
Firmou com ele uma aliança para sempre;
santo e venerável é o seu nome.

O temor do SENHOR é o princípio da sabedoria;
são prudentes todos os que o praticam.
O seu louvor permanece eternamente.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Dia 30 de janeiro - SANTA MARTINHA

Martinha é oriunda de uma família da nobreza, o pai era um homem público que por três vezes tinha sido eleito cônsul de Roma. Era um homem muto rico e cristão. No início do século III, quando Martinha nasceu, o acontecimento foi muito divulgado, entre o povo e entre os cristãos, pois a menina foi logo batizada.
Foi educada primorosamente nos preceitos do Cristianismo, mas teve a infelicidade de perder os pais muito nova. Coma a morte do pai, a jovem recebeu a sua herança material e a espiritual. A primeira, dividiu-a com os necessitados, a segunda foi usada com a humildade e a disciplina, na sua rotina diária como diaconisa da Igreja da sua cidade.
No tempo do imperador romano Alexandro Severo, foi decretado que os cristãos deviam ser presos, julgados e, caso fossem condenados, seriam executados. Ficou surpreendido quando foi chamado a julgar o primeiro grupo de presos. Lá estava Martinha, ele tentou afastá-la dos outros cristãos e seria salva se fizesse sacrifícios a Apolo. Martinha não cedeu e exigiu ter o mesmo tratamento dos outros presos católicos.
Alexandre mandou açoitá-la. A sua devoção, a força com que rezou e a pureza  da jovem, fez com que os carrascos e muitos outros fossem tocados pela fé. Fez o sinal da cruz e pediu ao Céu que iluminasse aquela gente. Ninguém teve coragem de executar a sentença.
O imperador ordenou então que fosse atirada às feras, mas os leões não a atacaram.
Foi condenada à fogueira, mas as chamas não a queimaram.
Martinha foi, então, decapitada. Ofereceu a cabeça ao algoz, submissa. Conta-se que, no exato momento em que foi decapitada, um tremor de terra muito forte abalou toda a cidade de Roma.
A história do seu testemunho espalhou-se a todas as regiões do império e atribui-se à santidade de Martinha tudo o que de extraordinário tinha acontecido, ocasionando muitas e muitas conversões.
Clandestinamente os cristãos apoderaram-se do corpo da santa e sepultaram-no com todas as honras.
As relíquias de Santa Martinha foram encontradas em 1634 e encontram-se hoje na Igreja do mesmo nome, a qual se ergue perto do arco do triunfo de Severo.

Padroeira dos romanos e da cidade de Roma.



quinta-feira, 29 de janeiro de 2015


Dia 29 de janeiro - SÃO GILDAS

Gildas era filho de um fidalgo britânico. Nasceu em 494 e, na infância, o pai levou-o para o Mosteiro de Santo Iltutus, no condado de Glamorganshire.
Pouco depois de ter feito os votos monásticos, transferiu-se para a Irlanda, para aí receber lições de grandes mestres da vida religiosa.
Deve ter sido por volta do ano 527, que São Gildas navegou até à Armórica, ou Bretanha, na França, isto porque  escreveu a sua diatribe dez anos depois de lá ter chegado, como se depreende da sua vida e dos seus escritos. Em França, escolheu para retiro, a pequena ilha de Houac, tão estéril que só produzia uma pequena quantidade de cereais. O santo prometeu a si próprio ali viver anónimo entre a população local. Mas, alguns dos pescadores descobriram-no, ficaram encantados com a sua conduta e conversação e divulgaram no continente o tesouro que tinham encontrado. Os habitantes vinham em enorme quantidade para escutar as lições de sabedoria divina dadas pelo santo. Finalmente, São Gildas consentiu em viver entre eles, e construiu um mosteiro em Rhuis.
Mas, suspirando por um isolamento mais íntimo, retirou-se e escolheu para habitação uma gruta num rochedo por cima da margem do rio Blavet, que converteu em capela.
Escreveu oito cânones sobre disciplina e uma diatribe violenta contra os crimes dos Bretões, denominada De Excidio Britanniae, com o propósito de confundir aqueles que não iria poder converter  e que Deus entregou primeiro aos saques dos Pictos e Escoceses e, só posteriormente, aos pérfidos Saxões. Acusa os reis destes de crimes horríveis. Também escreveu uma dura crítica contra o clero britânico, que acusa de indolência e de raramente se sacrificar perante o altar, etc.
No seu retiro, nunca deixou de recomendar a Deus as almas dos que pecavam por cegueira.
Morreu no isolamento, supõe-se que em 570.
Ficou conhecido como São Gildas, o Sábio.

Padroeiro da cidade de Vannes.











quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

SÃO TOMÁS DE AQUINO - dia 28 de janeiro


No dia 28 de janeiro de 1225, nasceu Tomás de Aquino, em Roccasecca, Itália,. Era filho do conde de Aquino e estudou com os monges beneditinos desde os cinco anos de idade. Conta-se que, quando ouvia os monges cantar louvores a Deus, terá perguntado quem era Deus.
Desde muito cedo que deu provas da sua inteligência e grande capacidade de meditação e oração. A sua capacidade intelectual era tão notável que surpreendia mesmo os mestres.
Muito novo ainda, Tomás decidiu entrar para a vida religiosa, mas teve de enfrentar a oposição familiar, que até o mantiveram prisioneiro para que não fizesse os seus votos. Mas a sua obstinação foi mais forte e tiveram de ceder.
A vida que levou, caracteriza-se pela vontade de responder a todos sobre os Mistérios do Amor de Deus, e o seu trabalho como religioso levou-o a pesquisar, aprender, e aprofundar ainda mais os seus estudos, tornando-se doutor em Teologia e escrevendo importantes tratados que ainda hoje são objeto de estudo de filósofos e teólogos.
Morreu na cidade de Fossanova, em Itália, a 7 de março de 1274.

Frases conhecidas de São Tomás de Aquino:

"O primeiro degrau para a sabedoria é a humildade."

"Tenho medo do homem de um só livro."

"Para aqueles que têm fé, nenhuma explicação é necessária. Para aqueles que não têm fé, nenhuma explicação é possível."

Oração de São Tomás de Aquino ao Espírito Santo:

Ó Espírito Santo, Amor do Pai e do Filho, inspirai-me sempre o que devo pensar, o que devo dizer, o que devo calar, o que devo escrever, como devo agir, o que devo fazer, para obter a Vossa Glória, o bem das almas e a minha própria santificação.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre. Ámen.







REZAR & MEDITAR


SALMO 1

Os dois caminhos


Feliz o homem que não segue o conselho dos ímpios,
nem se detém no caminho dos pecadores,
nem toma parte na reunião dos libertinos;
antes põe o seu enlevo na lei do SENHOR
e nela medita dia e noite.
É como a árvore plantada
à beira da água corrente:
dá fruto na estação própria
e a sua folhagem não murcha;
em tudo o que faz é bem sucedido.

Mas os ímpios não são assim!
São como a palha que o vento leva.
Por isso, os ímpios não resistirão no julgamento,
nem os pecadores, na assembleia dos justos.
O SENHOR conhece o caminho dos justos,
mas o caminho dos ímpios conduz à perdição.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Dia 27 de janeiro - SANTA ÂNGELA de MERICI

Nasceu cerca do ano 1470, em Desenzano del Garda (Veneza). A sua vida era no campo, trabalhando ou brincando com os irmãos, três rapazes e uma rapariga. Depois da morte da irmã e da morte inesperada dos pais, vai viver para Saló com um tio que a adoptou. Mas também o tio morreu e Ângela voltou à terra natal onde passou dias e dias a chorar de desgosto.
As mulheres, nesta época não tinham o direito de escolher a sua vida, e se fossem pobres, como era Ângela, ou casavam ou iam para o convento. Ela escolheu livremente ir para o convento. Com apenas treze anos, ingressou num convento da Ordem Terceira de São Francisco de Assis.
O facto de escolher livremente esse tipo de vida, mostra que seguiu a sua vocação.
Volta para Desenzano e retoma a vida de sempre. Uma vez teve uma visão em que viu uma escada entre o Céu e a Terra e que foi interpretada como a Intenção Profética da Companhia das Virgens, que ela um dia instituiria na Igreja.
Santa Ângela, movida pelo Espírito Santo e confiante nas suas capacidades, instituiu um outro estilo de vida possível para as mulheres: viverem no mundo consagradas a Deus. Organizou um grupo de vinte e oito meninas, para ensinar o catecismo nos bairoros e vilas da região. As "Ursulinas" tinham como finalidade a formação das futuras mães, segundo os dogmas cristãos.
As "filhas" da Santa Ãngela estão espalhadas pelo mundo inteiro, são as Ursulinas seculares e as Ursulinas religiosas, todas unidas no mesmo amor de Santa Ãngela Merici.
Em 1531 fundou, em Bréscia, um instituto feminino sob a invocação de Santa Úrsula, destinado à formação cristã das meninas pobres.
Morreu em 27 de janeiro de 1540, em Bréscia. Foi canonizada em 1807.

Oração:

Ò Deus, que Santa Ãngela de Merici interceda junto de Vós, para que possamos seguir os seus exemplos de caridade e prudência, proclamando-os na nossa vida. Amén.

Santa Ângela de Merici, rogai por nós!


 



REZAR & MEDITAR





SALMO 23

O Bom Pastor



O SENHOR é meu pastor: nada me falta.
Em verdes prados me faz descansar
e conduz-me às águas refrescantes.
Reconforta a minha alma
e guia-me por caminhos retos, por amor do Seu nome.
Ainda que atravesse vales tenebrosos,
de nenhum mal terei medo
porque Tu estás comigo.
A tua vara e o teu cajado dão-me confiança.
Preparas a mesa para mim
à vista dos meus inimigos;
ungiste com óleo a minha cabeça;
a minha taça transbordou.
Na verdade, a tua bondade e o teu amor
hão de  acompanhar-me todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do SENHOR
para todo o sempre.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Dia 26 de janeiro - SÃO TIMÓTEO


Timóteo nasceu em Listra, na Ásia. Filho de pai grego e pagão e de mãe judia, foi educado dentro do judaísmo. Quando o apóstolo Paulo, depois de convertido, passou na sua cidade, tanto ele, como a mãe e a avó se converteram ao cristianismo.
E Timóteo decidiu acompanhar Paulo e nunca mais se afastou dele, tornando-se  o "braço direito deste apóstolo , seu grande amigo e companheiro.
Fiel colaborador de Paulo, acompanhou-o nas suas viagens a Filipos, a Tessalónica, a Atenas, a Corinto, a Éfeso e a Roma. Iam sempre os dois, evangelizando, exceto quando tinha como missão ir a igrejas que tinham fundado, para corrigir erros e manter a paz.
Apesar do seu aspeto jovem e frágil,  Paulo dizia que ele era o seu "dileto filho" e confiava que ele faria o que Paulo lhe ensinara.
Tornou-se bispo de Éfeso e, em 66, Paulo encarregou-o de liderar a Igreja da Ásia Menor. As epístolas que Paulo lhe endereça, tornaram-se documentos preciosos para os destinos da Igreja.
A sua morte mostra bem como eram tratados os cristãos. Durante uma festa em honra da deusa Diana, Timóteo juntou-se aos pagãos tentando convertê-los, discursando sobre os seus cultos pagãos. A paga que teve foi a morte, vítima de pedradas e pauladas.
Faleceu em 97.
É, pois, inevitável ser lembrado no dia a seguir à conversão de Paulo.



Oração.


Pai de amor, que escolheste s Timóteo para ser um grande Apóstolo, convertei-nos também a nós e inspirai-nos gestos de renovação da sociedade e das nossas comunidades eclesiais. Por Cristo Nosso Senhor. Amén.





domingo, 25 de janeiro de 2015

Dia 25 de janeiro - CONVERSÃO DE S.PAULO

O seu nome de nascença é Saulo e nasceu no ano 10, na cidade de Tarso, na Cilícia (Turquia). Filho de Eliasar, fariseu e judeu da tribo de Benjamim, era um homeme forte e instruído. Era também tecelão, comerciante e legionário das tropas do imperador Augusto.Recebeu o título de Cidadão Romano pelos seus bons serviços e, por tradição, este título era deixado aos filhos.
Assim sendo, Saulo era um cidadão romano, fariseu, de linhagem nobre, bem financeiramente , era inteligente, estudioso, culto e religioso.
Foi para Jerusalém com 15 anos para dar seguimento aos seus estudos de latim, grego e hebraico, para a Escola de Gamaliel, para se tornar um grande Rabi. Saulo era um jovem baixo, magro, de nariz aquilino, moreno e de olhos negros e expressivos. Nessa época já ele se destacava pela sua expressividade fluente e cativante, a sua voz era forte e agradável e atraía as atenções tanto dos colegas como do mestre.
Por essa altura conheceu o Cristianismo, que era considerado como uma seita. Tornou-se, então, inimigo e perseguidor dos que professavam esta fé. Na sua forma de ver o mundo, ela fazia o que estava certo e queria agradar a Deus. Na morte de Santo Estevão, teve um papel importante pois foi a sua palavra e atitudes que fizeram com que Estevão fosse apedrejado até à morte, com o apoio do Sinédrio. E perseguia cristãos, denunciava-os e fazia-o convicto de estar a agir corretamente..
No capítulo 9 dos Atos dos Apóstolos, vemos como Saulo agia: "Saulo, entretanto, respirando sempre ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, foi ter com o Sumo sacerdote e pediu-lhe cartas para as sinagogas de Damasco, a fim de que, se encontrasse homens e mulheres que fossem desta Via, os trouxesse algemados para Jerusalém."
Mas o Senhor tinha um outro plano para Paulo: "Estava a caminho e já próximo de Damasco, quando se viu subitamente envolvido por uma intensa luz vinda do Céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: "Saulo, Saulo, porque me persegues?" Ele perguntou: "Quem és Tu, Senhor?" Respondeu: "Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Ergue-te, entra na cidade e dir-te-ão o que tens de fazer." (AT 9, 1-6)
Aí permaneceu até que Ananias, obedecendo às ordens do Senhor, lhe impõe as mãos e lhe diz:
""Saulo, meu irmão, foi o Senhor que me enviou, esse Jesus que te apareceu no caminho em que vinhas, para recobrares a vista e ficares cheio do Espírito Santo." Nesse intante, caíram-lhe dos olhos uma espécie de escamas e recuperou a vista. Depois, levantou-se e recebeu o batismo." (At 9, 17-18)
De Damasco saiu não Saulo, mas Paulo, a pregar a palavra de Deus, como Jesus lhe havia ordenado.
O Senhor fez de Paulo o seu grande apóstolo, evangelizador dos pagãos e modelo de todos os cristãos.
Escreveu catorze cartas, espalhando a mensagem de Jesus.

Patrono: Congregações Paulinas


Oração:

Ó glorioso São Paulo Apóstolo, que de perseguidor de cristãos vos tornastes grande Apóstolo, fazei que vivamos na fé e nos salvemos pela caridade que praticamos.
Que possamos, por vossa intercessão, conhecer e amar a Deus e assim seguir melhor Jesus Cristo. Suscitai muitos Santos Apóstolos, concedei-nos, com a vossa ajuda, a graça da conversão diária e sermos defendidos de toda a cilada do inimigo. Concedei-nos especialmente ........, graça de que tanto precisamos. Amén.
São Paulo Apóstolo, rogai por nós!

Pai Nosso, Avé Maria e Glória

Dia 24 de janeiro - SÃO FRANCISCO DE SALES

Nasceu na Sabóia, a 16 de agosto de 1567. De origem nobre, Francisco de Sales foi o primeiro filho de treze. A sua educação ficou a cargo dos padres da Companhia de Jesus em Paris onde aprendeu, além de muitas outras disciplinas, línguas estrangeiras. Continuou os seus estudos na universidade de Pádua, em Itália, onde se formou em Direito Canónico aos 24 anos.
Muito cedo se decidiu a viver em castidade e a seguir os desígnios do Senhor. Não seguiu a carreira que a família pretendia e iniciou os estudos para se tornar um padre católico.
Ao longo da história deste santo muito amado, vai-se percebendo o quanto ele procurou e encontrou o que Deus queria.
Odenado sacerdote em Genebra, em 1593, trabalhou muito pela restauração da fé católica na sua pátria.
Foi um sacerdote que procurou sempre a santidade, não só para si mas também para os outros.
Em 1599 tornou-se bispo coadjutor em Genebra e, em 1602, tornou-se o bispo de Genebra, mostrou-se verdadeiro pastor do clero e dos fiéis, instruindo-os com os seus escritos e obras, feito modelo para todos.
São Francisco de Sales deixou-nos a Introdução à vida devota e também o Tratado do amor de Deus.A coletânea de todos os seus escritos chega a cinquenta volumes.
Morreu em Lyon, a 28 de dezembro de 1622, mas foi sepultado definitivamente em Annecy a 24 de janeiro do ano seguinte.Morreu com 56 anos, vinte e um dos quais foram servindo os outros e dando sinal da sua santidade. A exumação dos seus restos mortais teve lugar em 1632, ocasião em que o seu corpo foi encontrado em perfeito estado. Foi canonizado em 1665 pelo papa Alexandre VI, na Basílica de São Pedro..
Doutor da Igreja, é o fundador da Ordem da Visitação, titular e patrono da família salesiana (fundada por Dom  Bosco)
Dele é uma frase muito conhecida e citada: "A medida do amor é amar sem medida":.

Patrono: dos escritores e dos jornalistas.

Oração:

Glorioso São Francisco de Sales, vosso nome carrega a doçura do coração mais aflito, vossas obras exalam seleta piedade, vossa vida foi um sacrifício contínuo de amor perfeito, cheio de sabor real para as coisas espirituais, abandono generoso e amoroso à vontade divina. Ensinai-me a humildade interior, a doçura exterior e a imitação de todas as virtudes que soubestes imitar dos Corações de Jesus e Maria. Amén.







sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Dia 23 de janeiro - SANTO ILDEFONSO


Santo Ildefonso nasceu em 605, a 8 de dezembro, numa família ilustre de Toledo.
Ficou órfão e, com os bens que possuía, mandou contruir um mosteiro para religiosos.Escolheu a vida religiosa muito cedo, apesar de o seu pai se opor a esta escolha. Estudou no mosteiro de Agali, perto da sua cidade natal e, depois em Sevilha, onde teve como mestre Santo Isidro.
Foi ordenado diácono e, depoi,s bispo de Agali. Foi um dos signatários do VIII (em 653) e IX (em 655) Concílios de Toledo.
Era sobrinho de Santo Efigénio, a quem sucedeu na Sé de Toledo. Foi nomeado arcebispo de Toledo em 657 e ocupou este cargo até à sua morte, que ocorreu em 23 de janeiro de 667.
Na sua vida nem tudo aconteceu  por sua iniciativa mas, o que vida lhe propôs, ele aceitou com os olhos postos em Cristo. Foi um grande instrumento de Deus e devoto da Santíssima Virgem. Propagou a festa da Nossa Senhora do Ó, a 18 de dezembro. Diz num seu relato que, fruto desse amor, presenciou uma aparição da Virgem Maria, que o chamou de "meu capelão" e lhe deu uma veste de sacerdote.
Foi um homem humilde, de oração na vida sacramental e um grande pastor para o seu povo.
A literatura espanhola dá um grande destaque aos seus escritos.

Oração:

Ao vosso amparo e proteção nos acolhemos, Santo Ildefonso, e suplicamos a vossa intercessão. Alcançai-nos o dom de uma vida que seja testemunho de Jesus Cristo e avivai em nós o desejo de crescermos na fé. Abençoai as crianças e os jovens, os adultos e os idosos, Intercedei pelos doentes e encaminhai os errantes. Fazei regressar os que andam perdidos pela indiferença e pelo pecado. Reconciliai os casais e iluminai os seus caminhos.
Santo Ildefonso, nós vos pedimos o dom da fortaleza para vencer as dificuldades que nos rodeiam. A vvós, filho dedicado de Maria, pedimos a vossa intercessão e guiai os nossos passos pelo caminho da eternidade. Amén. 

Pai Nosso... e Avé Maria ...
 





quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

REZAR & MEDITAR


SALMO 20

Que o Senhor te responda no dia da angústia
e o nome do Deus de Jacob te proteja.
Do santuário, Ele te envie o socorro
e te assista de Sião;
recorde todas as tuas ofertas
e aceite os teus sacrifícios;
conceda o que o teu coração deseja
e realize todos os teus projetos.
Cantaremos, então, o teu triunfo,
e em nome do nosso Deus ergueremos bandeiras.
Que o Senhor satisfaça todos os teus pedidos.

Agora tenho a certeza
de que o Senhor dá a vitória ao seu ungido.
Ele responde-lhe do alto do seu santuário
e salva-o com a força do seu braço.
Uns confiam nos seus carros, outros nos cavalos;
nós, porém, confiamos no SENHOR, nosso Deus.
Eles fraquejam e são vencidos;
nós, porém, levantamo-nos e ficamos de pé.

SENHOR, dá o triunfo ao rei
e atende-nos quando te invocarmos.


Dia 22 de janeiro - SÃO VICENTE PALLOTTI

Vicente Pallotti é filho de Pedro Paulo Pallotti e de Maria Madalena Rossi, que se casaram e dessa união nasceram dez filhos.
Vicente Luiz Francisco nasceu dia 21 de abril de 1795, em Roma, e foi batizado no dia seguinte. O seu nome foi inspirado em três grandes santos, Vicente (São Vicente Ferrer), Luiz (São Luiz Gonzaga) e Francisco (São Francisco de Assis), que se destacaram pela penitência, pela pureza e pela pobreza, respetivamente.
Apesar de ter uma saúde frágil, Vicente nunca deixou de jejuar e de se penitenciar. Desde muito cedo levava todos os dias os irmãos à igreja e, seguindo o exemplo dos pais, não deixava de fazer as suas orações diárias.
Com seis anos iniciou os estudos escolares e com 15, em 1810, iniciou os estudos no seminário.Em 1811, Palotti recebeu a tonsura clerical e o direito de usar o hábito clerical.
Aos 23 anos foi consagrado sacerdote da diocese de Roma, onde ocupou cargos importantes na hierarquia da Igreja. Muito culto, era doutorado em Filosofia e Teologia.
Viveu com os pais até à sua morte (mãe 1827, o pai 1937), mudando-se de seguida para a igreja do Espírito Santo, mais tarde foi para a igreja de San Salvadore in Onda, onde já se encontrava o núcleo da sua obra, a Pia União.
De 1816 a 1849, escreveu um Diário Espiritual , onde redigia todos os seus desejos, propósitos, aspirações e o seu diálogo com Deus.Vicente Pallotti foi orientador espirirual, confessor (inclusive do Papa), pregador, professor, capelão de hospitais, presídios e quartéis, orientador de orfanatos, colaborador de missões, auxiliou e organizou várias casas de caridade, tudo isto feito com os olhos postos no exemplo de Jesus Cristo.
Mas foi a sua atuação em obras religiosas e sociais que lhe trouxe a santidade.  A sua vida foi marcada por uma profunda espiritualidade, nunca se afastando das atividades apostólicas. O seu trabalho influenciou o que foi decretado pelo Concílio Vaticano II, sobre a importância do apostolado dos leigos junto das comunidades cristãs.
Pallotti morreu em Roma, dia 22 de janeiro de 1850, com cinquenta e cinco anos. Nesse inverno, num dia em regressava das suas atividades, doou o seu casaco a um pobre. A sua saúde frágil ressentiu-se e não mais recuperou.
A notícia espalhou-se rapidamente por Roma e gente de todas as classes sociais chorou a sua morte.
Em 1852 foi instaurado o processo de beatificação de Vicente Pallotti, em 13 de janeiro de 1887 recebeu o título de Venerável. Em 1906, quando o túmulo foi aberto, este estava incorrupto e os dois milagres que faltavam para ser santo, logo foram conhecidos: a cura instantânea de um menino de nove anos qua caiu do corrimão, bateu com a cabeça e fratutou o crânio e a cura instantânea de uma mãe de família que se manteve numa cadeira de rodas durante dezassesis anos, com esclerose.
Dia 22 de janeiro de 1950, cem anós após a sua morte, foi beatificado São Vicente Pallotti.. O Papa João XXIII, dia 20 de janeiro de 1963, realizou a cerimónia de canonização.
.

Oração:

São Vicente Pallotti, rogai para que haja em nós e em todos os cristãos, especialmente o vosso espírito de humildade e caridade.Como Jesus orou pelos seus discípulos, assim também vós, São Vicente Palllotti, orai por nós à Santíssima Trindade, para que nos livre de todo o mal, nos santifique na verdade e nos confirme na união. Por Cristo, nosso Senhor, amém. Rogai por nós, São Vicente Pallotti, para que sejamos dignos das promessas de Cristo.


quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Dia 21 de janeiro - SANTA INÊS

Santa Inês nasceu em 291, em Roma, Itália.Oriunda de uma família nobre e rica, à medida que ia crescendo ia-se tornando uma linda jovem.Os pais perceberam que tinham uma filha especial e consagraram-na a Cristo. Ela tinha longos e lindos cabelos ruivos e despertava os desejos dos jovens romanos de classe nobre que tentaram casar-se com ela. Também sofreu várias tentativas de violação, mas rezava a Jesus pedindo a Sua proteção e para manter a sua castidade.
Foi denunciada como sendo cristã. Prenderam-na e torturaram-na para que oferecesse sacrifícios aos deuses romanos. Foi levada para um bordel, mas o primeiro homem que a quis violar foi cegado por um raio de luz. Santa Inês perdoou-o e ele recuperou a visão.
Diz a tradição que foi ateada uma fogueira para a queimar mas quando ele lá foi colocada o fogo milagrosamente apagou-se. A tentativa de a desmembrar usando cavalos não resultou pois era muito pequena e os seus pulsos eram demasiado estreitos para os grilhões de ferro. Tentaram amarrá-la com correntes, mas as correntes escorregavam ou, simplesmente, rebentavam.
Foi finalmente decapitada à espada em 304. O seu corpo foi enterrado no cemitério da família, hoje a sua sepultura fica ao lado da igreja que lhe foi dedicada, na Via Momentana.
Vários milagres lhe são atribuídos e a sua fama espalhou-se rapidamente.
Dois dias depois da sua morte, a mártir apareceu a seus pais, acompanhada de um grupo de virgens, tendo a seu lado um cordeirinho
No tempo do Papa Paulo V as relíquias de Santa Agnes (ou Santa Inês), foram encontradas no santuário da Igreja. Agnes significa em grego, casta e, em latim, ovelha.
Santa Inês é representada na arte litúrgica com uma ovelha ao colo.
No dia da sua festa, uma ou duas ovelhas são abençoadas na sua igreja, em Roma, e da lã delas fazem-se alguns "palliums" (duas tiras de lã branca), que o Papa entrega aos Arcebispos com símbolo da sua jurisdição.
O papa S. Dâmaso adornou com versos o seu sepulcro e muitos santos Padres, segundo S. Ambrósio, celebraram os seus louvores.   


Padroeira:

É padroeira da pureza, da castidade, das meninas adolescentes, dos noivos.
Segundo a tradição, Santa Inês ajuda a encontrar um noivo para um casamento feliz.
É também a padroeira das Filhas de Maria e dos jardineiros.

Oração:

Ó dulcíssimoSenhor Jesus Cristo, fonte de todas as virtudes, amigo das almas virginais, vencedor fortíssimo das ciladas dos poderosos, severíssimo extirpador de todos os vícios, lançai Vosso olhar para a minha fraqueza e, pela intercessão de Vossa Santíssima Mãe, a Virgem Maria, e de Santa Inês, concedei-nos o auxílio da Vossa Divina Graça. Santa Inês, rogai por nós!

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Dia 20 de janeiro - SÃO SEBASTIÃO

S. Sebastião nasceu em 256, em Narbonne, França, mas foi criado por sua mãe em Itália, mais propriamente em Milão. Sendo oriundo de uma família cristã, foi batizado ainda pequeno. Em Itália cresceu na fé cristã e tornou-se um valente soldado e, posteriormente, capitão da guarda do imperador Diocleciano.
Manteve-se sempre um cristão convicto e protetor dos cristãos. Nesta época estes eram perseguidos e martirizados e Sebastião conseguiu ajudar muitas pessoas presas, diminuindo as penas, dando-lhes alimentos e animando-os a perseverarem na fé em Cristo. Procurava mostrar Deus não só aos cristãos perseguidos mas também aos soldados e, assim, conseguiu converter muitos pagãos ao cristianismo. Converteu mesmo o governador de Roma, Cromácio, e o seu filho Tibúrcio.
Foi denunciado porque estava a contrariar o seu dever de oficial da lei. Foi prestar contas ao imperador Diocleciano, perseguidor de cristãos. Ele que tinha sido um dos soldados preferidos do imperador, perante as acusações que lhe foram feitas não negou a sua fé. Para se salvar, Diocleciano deu-lhe a escolher entre a fé de Cristo ou o seu lugar no exército. E ele não hesitou: escolheu Cristo.
Ali foi ditada a sua sorte: morrer atado a uma árvore e executado com flechas. Foi dado como morto e, ali mesmo, abandonado pelos que antes tinham sido seus subordinados.
Uma senhora que lhe quis dar uma sepultura digna, aproximou-se e encontrou-o vivo! Levou-o para sua casa, tratou-lhe as feridas até estar curado. Depois, ele mesmo, seguindo a sua voz interior, apresentou-se perante o imperador dizendo-lhe que pelo poder de Nosso Senhor Jesus Cristo se tinha curado e acusou-o  das injustiaças que tinha cometido contra os cristãos.
Desconcertado com tamanha ousadia, Diocleciano condenou-o, desta vez, ao martírio no circo.
Sebastião foi então executado com pauladas e boladas de chumbo e açoitado até à morte, no dia 20 de janeiro de 288.
Os seus algozes deitaram-no numa fossa para impedirem a sua veneração. Quem o tirou de lá foi a cristã Santa Luciana que o sepultou junto de S. Pedro e de S.Paulo. Em 680 as sua s relíquias foram transportadas com solenidade para a Basílica de S. Paulo, mandada construir  pelo imperador Constantino. Naquela época havia muita gente atingida pela peste e essa epidemia desapareceu na hora da trasladação. Noutras ocasiões aconteceu o mesmo, em 1575 em Milão e em 1599 em Lisboa, ambas ficando livres da peste por intercessão de São Sebastião.
Muitos são os relatos dos seus milagres!
Este santo é um dos santos mais famosos para o povo brasileiro. Por causa da sua poderosa intercessão muitos têm sido os milagres obtidos e tornou-se padroeiro de muitas cidades e bairros brasileiros.
Diz a tradição que, no dia da festa do pasdroeiro, em 1565, teve lugar a batalha final que expulsou os franceses que ocupavam o Rio de Janeiro, São Sebastião foi visto de espada em punho entre os portugueses, mamelucos e índios que lutavam contra os franceses.
A força que São Sebastião teve sempre para enfrentar as dificuldades é inspiradora, apoiando-se sempre em Cristo, e ele intercede por nós para que a nossa caminhada seja destemida, sem medo, em direção à  felicidade.

Protetor e Padroeiro:

São Sebastião é o santo protetor da Humanidade. Protege contra a fome, a peste e protege os presos e as pessoas com feridas e doenças contagiosas.
É padroeiro de muitas cidades brasileiras como Três Rios, São Sebastião, Alto Garças, Itambé, Maraú, Taboão, Bom Jardim e Minas...

Oração:

Deus omnipotente, que conheceis a nossa enfermidade, fraqueza, agonia, ânsia e tribulação desta vida, fazei que a todos nos valha a intercessão de São Sebastião, Vosso glorioso mártir e protetor dos cristãos. São Sebastião, meu intercessor, vós que sofrestes os ferimentos e recebestes no corpo as flechas da indiferença e da vingança, sofrendo vil e infame processo, pela glória de Nosso Senhor Jesus Cristo, dignai-vos interceder para que possa obter do Altíssimo a graça de (indicar aqui a graça pretendida), e ainda a graça da salvação da minha alma para vossa maior glória. Honra e glória vos renderei todos os dias da minha vida. Amén.
Glorioso São Sebastião, rogai por nós!



segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

19 de janeiro - SANTO ODILO


Odilo nasceu em 962, na cidade francesa de Auvergne. O pai era Beraldo, da família nobre Mercoeur, e a sua mãe Gerberga.
A sua vida espiritual começou cedo, na infância, aos quatro anos de idade. Tinha uma deficiência nas pernas que o impedia de andar. Certa vez em que foi com a governanta à igreja, ficou à porta a rezar enquanto ela foi falar com o padre. A criança arrastou-se até ao altar e pediu à Virgem Maria que lhe concedesse a graça de andar. No mesmo instante, sentiu uma força invadir as suas pernas, pôs-se de pé e foi ter com a governanta que, com o vigário, puderam constatar esta maravilha.
 Em 991, após terminar os estudos, ingressou no Mosteiro beneditino de Cluny. O seu trabalho e a sua humildade fizeram-no sucessor do abade e Santo Mayeul, em 994, cargo que ocupou durante toda a sua vida.
Apesar de ser um homem de pequena estatura possuía uma força e um caráter notáveis. Sob as suas ordens, usando a gentileza e a clareza, capacidade de trabalho e organização, oração e penitência, prosperava o trabalho para fazer Cristo reinar sobre a terra. Empenhou-se para conseguir também harmonizar Igreja e Império numa "trégua de Deus".
Como alto representante da Igreja, era procurado por ilustres e por pobres e atendia todos com a mesma humildade de servo de Cristo. Ajudava famintos e abandonados e não se coibia de esvaziar as despensas do mosteiro ou vender objetos valiosos para ajudar a população. Mesmo assim, eram insuficientes os recursos e Odilo fez-se mendigo, pedindo a príncipes e à aristocracia para dar aos pobres.
Odilo encorajava o estudo nos seus mosteiros e encarregou o monge Radolfo Glaber de escrever uma história da sua época. Mandou erigir um magnífico edifício para abrigar o mosteiro e mandou reformar outros mosteiros beneditinos. No reinado de Afonso VI, esta ordem espalhou-se para o reino de Castela.
Aumentou também a quantidade de mosteiros filiados à Abadia de Cluny, de trinta e sete passaram a sessenta e cinco. Numa épocas de reforma monástica, Odilo, quinto abade de Cluny, era considerado um verdadeiro chefe da cristandade.
 Em 998 determinou que todos os conventos beneditinos passassem a celebrar "o dia de todas as almas", data que Roma transpôs para todo o mundo católico do ocidente, em 1311, com o nome de "dia de finados".
Foi eleito arcebispo de Lyon pelo povo e pelo clero, chegando a ser nomeado pelo Papa João XIX, mas recusou o cargo.
Morreu em 31 de dezembro de 1049, durante uma visita ao mosteiro de Souvigny, em França. com fama de santidade. O seu culto foi reconhecido pela Igreja e incluído no calendário dos beneditinos de todo o mundo. Em 1063, Pedro Damião assumiu o seu processo de canonização e escreveu uma breve biografia sobre ele, baseada no trabalho de Jotsaldo, um dos monges que acompanhava Odilo nas suas viagens. A sua comemoração passou de 2 para 19 de janeiro.
Das suas obras restaram simplesmente uma sobre a vida da imperatriz Adelaide, de quem era próximo, uma curta biografia do abade Mayeul, sermões sobre algumas festas do ano litúrgico, alguns hinos e orações e  algumas cartas da sua extensa correspondência.




domingo, 18 de janeiro de 2015

Dia 18 de janeiro - SANTA MARGARIDA de HUNGRIA


 Margarida nasceu no castelo de Turoc, em 1242, na Hungria. Era filha do rei Bela IV e da rainha Maria, de origem bizantina. Os pais eram  cristãos convictos e a pequena Margarida foi logo batizada.
Com dez anos de idade os pais levaram-na para o mosteiro dominicano de Vespem, para ser preparada para a vida religiosa, como agradecimento pela libertação da Hungria, dos Tártaros.
Dois anos depois, Margarida fez a profissão de fé num novo mosteiro que seu pai fundou para ela, na Ilha das Lebres, nas margens do Danúbio e perto de Budapeste.
Em 1261, entregou definitivamente a sua vida ao serviço do Senhor, sendo perticularmente devota da Eucaristia e da Paixão de Cristo.
Era uma jovem especial, foi sempre um exemplo de humildade e de virtude para as outras religiosas. Orava e fazia penitências, oferecendo-se sempre como vítima para a salvação do seu povo. Nunca desejou grande cultura, só o básico da escrita e da leitura.
Pedia que lhe lessem as Escrituras e confiava a sua direção espiritual ao dominicano Marcelo, seu superior e confessor. Não tinha apego por nada material o que, juntamente com a sua vida contemplativa, a aproximou tanto de Deus que recebeu o dom das visões.
Tornou-se uma das grandes místicas medievais da Europa, sempre muito respeitada e amada pelas comunidades religiosas, a corte e a também pelo povo.
Morreu dia 18 de janeiro de 1270, no seu mosteiro. O seu túmulo tornou-se destino de peregrinações, pelas muitas graças e milagres concedidos por sua intercessão.
Um ano depois da sua morte, o seu irmão, Estevão V, rei da Hungria, encaminhou para Roma um pedido de santidade da irmã. Este processo desapareceu assim como outro que foi enviado em 1276.
Na sua pátria e em muitos outros países; Margarida já era considerada santa.
A canonização de Santa Margarida da Hungria foi concedida pelo Papa Pio XII, em 1943, acolhida com júbilo pelos seus devotos, especialmente na Europa do Leste onde é muito venerada.



Oração:  

Ó Deus de misericórdia e de bondade, compadecei-Vos de todos os que sofrem, os que choram, os que passam por duras provações. Peço-vos, Senhor, fortalecei-os na fé, para que busquem a Vossa vontade e estejam dispostos a acolhê-la. Amém.



 



sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Dia 17 de janeiro - SANTO ANTÃO



Santo Antão nasceu no Egito, na cidade de Conam, no ano de 251, era filho de pessoas simples do campo e que professavam a fé cristã.
Quando os pais morreram, Antão tinha vinte anos e, como era o filho mais velho,  herdou os bens da família. Ficou com a irmã a seu cargo e continuou a trabalhar no campo, levando uma vida simples e de oração.
Embora fosse cristão, Antão não tinha ainda encontrado o verdadeiro sentido da sua vida. Num dia em que assistia a uma missa, foi tocado pela palavra que chegou até ele. No evangelho de S. Mateus, Jesus ensina ao jovem rico o caminho da perfeição: "Vende os teus bens, dá aos pobres e terás um tesouro nos céus. Depois, vem e segue-me." Antão sentiu que aquele chamamento era para si e fez exatamente o que ele pedia: vendeu os bens e deu aos pobres.  A irmã casou-se mais ou menos na mesma altura e Antão retirou-se para morar numa caverna num deserto não muito longe da sua casa, vivendo uma vida de oração e sacrifícios.
Procurou primeiro o isolamento mas as pessoas não paravam de procurá-lo para lhe pedir conselhos. Ela também atraía discípulos que queriam levar uma vida como a sua. E, assim, passavam a morar perto de Antão, em cavernas ou tendas, isoladamente.. Este foi o primeiro indício de uma comunidade monástica cristã.
Os discípulos iam sempre chegando mais e mais e Santo Antão resolveu afastar-se para mais longe, para poder cultivar o isolamento. Assim viveu dezoito anos, uma vida repleta de orações e jejuns, resistindo às tentações.
Poucas vezes abandonou o seu exílio voluntário mas, como muitas pessoas buscavam o seu auxílio espiritualmente, Antão saiu do deserto algumas vezes.
Numa dessas saídas, em 311, foi a Alexandria e foi defender o bispo Atanásio, seu discípulo. Voltou a esta cidade em 335, desta vez para confirmar a fé dos cristãos que estava pouco firme e confusa. Com as suas pregações conseguiu resultados maravilhosos, tanto com os fiéis como com a Igreja. A  fama da sua vida santa no deserto correu mundo. Passou a ser um modelo de monges reclusos e  até hoje é conhecido como "pai dos monges cristãos." Era também requisitado pelo clero e mesmo pelo imperador Constantino e seus filhos.
Em 17 de janeiro de356, profetizou a sua morte. Tinha cento e cinco anos e teve uma visão de Deus e dos seus santos. Antes de morrer, Santo Antão disse aos seus discípulos: "Lembrai-vos dos meus ensinamentos e do meu exemplo, evitai o veneno do pecado e conservai integra a vossa fé viva na caridade, como se tivesse que morrer a cada dia".
Santo Atanásio, amigo e discípulo de Antão, foi o seu biógrafo que registou tudo sobre o seu caráter, costumes, obras e pensamentos do ilustre monge.
As suas relíquias estão na Igreja de Santo António de Viennois, em França. Neste país os seus discípulos construíram um hospital e muitas casas para abrigar os doentes abandonados. Tornaram-se, mais tarde, na "Ordem dos Hospedeiros Antonianos".

Ensinamentos de Santo Antão:

"A maior obra dos homens é esta: ser capaz de manter os seus pecados diante de Deus e estar preparado para a tentação até ao último suspiro."

"Quem não tiver sido tentado, não poderá entrar no reino do céu. Se suprimires a tentação, ninguém se salvará."

Orações:

Senhor Deus, que permitistes mesmo na solidão de uma gruta no deserto, que Santo Antão fosse perturbado pelo demónio com violentas tentações, mas lhe destes forças para vencê-las, enviai-me do Céu o Vosso socorro, porque eu vivo num ambiente minado de tentações que me agridem pelo rádio, televisão, novelas, cinema, revistas, propagandas e maus companheiros. Santo Antão, ficai sempre a meu lado, vós, que vencestes o demónio, me dareis força na tentação. Na hora da tentação, socorrei-me Santo Antão. Santo Antão
eremita que nunca faltais com o vosso socorro aos que vos invocam, rogai por nós. Amém. 



Ó Deus, que nos destes no Abade Santo Antão um testemunho de perfeição evangélica, fazei-nos, perante as agitações deste mundo, fixar o coração nos bens eternos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.










,













Dia 16 de janeiro - São MARCELO I




São Marcelo nasceu em Roma, de origem humilde, era um homem generoso e com uma fé inabalável. Foi eleito Papa Marcelo I a 27 de maio de 308, quatro anos após a morte do seu antecessor.
Viveu numa época conturbada para os cristãos. Já se anunciava a queda do império romano e o imperador Diocleciano decretou a mais terrível e sangrenta perseguição aos cristãos que se manteve mesmo durante a vigência do seu sucessor, o imperador Maxêncio.
O seu pontificado ficou muito bem documentado e aí se encontram relatos do comportamento dos cristãos perseguidos  que, por medo, renegaram a fé em Cristo.
Durante o seu breve pontificado determinou algumas normas importantes, nomeadamente, conceder o perdão aos cristãos que tinham renunciado à fé, por medo e, também, proibir a convocação de qualquer concílio geral sem a autorização do papa de Roma.
O imperador Maxêncio mandou prendê-lo e condenou-o a trabalhar na sua própria igreja, que fora transformada em estábulos, com o intuito de o humilhar.
Marcelo morreu como resultado de inúmeras privações e humilhações dia 16 de janeiro de 309.
As suas relíquias estão guardadas na Cripta dos Papas no cemitério de Santa Priscila em Roma.










Padroeiro da cidade de Leão em Espanha

Oração:
Dignai-vos escutar benignamente, Senhor, as preces do Vosso povo e fazei que nos sirvam de auxílio os mérito do bem-aventurado São Marcelo, Vosso mártir e pontífice, cujo martírio hoje celebramos, por Nosso Senhor Jesus Cristo. Deus eterno e todo poderoso, que destes a São Marcelo a graça de lutar pela justiça até à morte, concedei-nos, por sua intercessão, suportar por Vosso amor as adversidades, e correr ao encontro de Vós, que sois a nossa vida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo. São Marcelo, papa e mártir, orai por nós e pela Santa Igreja! Amén.









quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Dia 15 de janeiro - São PLÁCIDO

Plácido nasceu em 514, em Roma, no seio de uma família rica e nobre.
A vida deste santo está intimamente ligada à de seu primo Mauro, que mais tarde se chamaria Santo Amaro.
Quando tinham sete anos, Plácido e Amaro foram entregues ao amigo da familia, Bento de Nórcia,que tinha a seu cargo um mosteiro e se tornou o fundador da Ordem Beneditina, para serem educados para a vida religiosa.
Ainda na infância destes primos, num dia em que São Bento orava, teve uma visão de Plácido a aforgar-se num lago que ficava próximo e mandou de imediato Amaro para o salvar.
Os dois primos fizeram juntos o seu percurrso religioso mas, já depois de ordenados sacerdotes, tiveram de se separar por diferentes incumbências missionárias.
A Plácido foi atribuída a missão  de construir um mosteiro beneditino em Messina, cidade italiana na região da Sicília. Cumpriu a sua missão e construiu também uma igreja contígua ao mosteiro que dedicou a S. João Batista. Pelo seu bom trabalho foi nomeado abade deste mosteiro.
Numa ocasião, os tês irmãos de Plácido foram visitá-lo à Sicília, para matarem as saudades que tinham. Passaram ali algum tempo participando das missas e de algumas orações dos monges.
No ano de 541, os muçulmanos invadiram Messina e os monges abandonaram o mosteiro. São Plácido ficou e os seus irmãos ficaram também com ele.
Quando os sarracenos os encontraram disseram-lhes que lhes poupavam a vida se renegassem a sua fé em Cristo.
São Plácido, de acordo com os irmãos, afirmou-lhes que preferiam morrer a trair a fé que tinham em Cristo.
Numa praia próxima do mosteiro foram decapitados.
Alguns monges que souberam do sucedido, levaram os corpos e sepultaram-nos no mosteiro que tinha sido quase todo destruído.
Durante vários anos aquela região foi invadida e destruída pelos muçulmanos e só em 1099 conheceu a paz quando os árabes  foram, definitivamente,  expulsos dali. O Imperador católico da época, Rugero, deu ordem para que tudo fosse reconstruído.
O mosteiro também foi reconstruído mas, em 1588, o superior achava que havia pouca luz e pouca ventilação no interior da igreja. Para resolver este problema  mandou  mudar a estrutura da mesma e teve de mandar deslocar o altar principal. Quando o fizeram, encontraram os restos mortais dos quatro irmãos confirmando-se assim a história. E, no momento em que retiraram os corpos dos mártires, ali brotou uma fonte de água límpida e pura.
As relíquias destes santos foram mudadas para o mosteiro Montecassino e foram guardadas juntamente com as do primo Santo Amaro.
Em 1918, um terrível terramoto destruiu Messina, e também o mosteiro e a igreja mandados contruir por São Plácido. Mas a fé que a ele se devotava manteve-se no coração dos seus fiéis.
Em 1962 a Igreja decidiu que os dois primos fossem celebrados no mesmo dia, 15 de janeiro, mas muitos devotos de S. Plácido continuam a festejar o santo também no dia 5 de outubro.



 



 
 
 


 
 

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

14 de janeiro - Beato PEDRO DONDERS

Nasceu em Tilburg, na Holanda, no dia 27 de outubro de 1809. A família era pobre e Pedro Donders pouco pôde estudar e teve de trabalhar para ajudar no sustento da casa. Acalentava desde muito novo o desejo de ser sacerdote e com a ajuda dos padres da sua paróquia deu entrada no seminário menor e foi ordenado sacerdote em  1841.
Ainda no seminário, foi orientado pelos seus superiores para missões no Suriname (colónia holandesa).
Chegou a Paramaribo, capital desta colónis, em 16 de setembro de 1842, onde desenvolveu o seu trabalho pastoral. As suas primeiras atividades consistiam em trabalhar ao longo dos rios desta colónia, pregando e ministrando sacramentos aos escravos e índios. Nas suas cartas mostra a sua indignação pela forma como estes eram tratados pelos donos das plantações.
Em 1856 foi enviado para a colónia de leprosos de Batávia. A sua caridade não se limitava à religião mas também aos cuidados de saúde que ele próprio ministrava aos doentes. Conseguiu persuadir as autoridades do território a arranjarem serviços de enfermagem adequados. A sua dedicação e energia foram uma benção preciosa para estes doentes.
Em 1886 os Redentoristas chegaram ao Suriname para assumirem esta missão e o padre Pedro Donders e um seu companheiro juntaram-se a esta congregação (curiosamente esta congregação tinha-lhe recusado a entrada no seminário na sua juventude). Fizeram o noviciado e professaram votos e, imediatamente, Donders voltou a Batávia para continuar a sua obra. Aprendeu línguas nativas e ensinou a fé cristã até que as forças lho permitiram.
Morreu a 14 de janeiro de 1887 e a fama da sua santidade espalhou-lhe pelo Suriname e também pela sua terra natal, a Holanda.
A 23 de maio de 1982 foi beatificado pelo Papa João Paulo II.



Padroeiro: das almas mais abandonadas.




 Pensamentos marcantes de Pedro Donders


“Também a adversidade e a cruz vêm de Deus e nada se realiza sem a cruz!”



 “Se aqui, no Suriname, tivessem tanto cuidado com a saúde e bem estar dos escravos quanto na Europa se tem pelos animais, a situação seria muito melhor! O que aqui vi e escutei supera qualquer imaginação!”



 "Quero anunciar a bondade do Senhor enquanto eu viver!"



Oração:
Pai de amor e de bondade que escolheste, ao longo dos tempos,  homens e mulheres para proclamar as maravilhas do Vosso amor, servindo os pobres e abandonados, concedei-nos, por intercessão de Pedro Donders a paciência e a coragem de vos servir todos os dias da nossa vida. Por Cristo Nosso Senhor. Amén.



                                                        

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

13  de janeiro - dia de SANTO HILÀRIO de Poitiers


Nasceu em Poitiers (França), no princípio do século IV, numa família rica e pagã, da qual recebeu educação e instrução privilegiadas.
Procurou na Filosofia o sentido da vida mas só a encontrou no Evangelho o que o levou a converter-se ao cristianismo.
Foi batizado aos trinta anos, juntamente com a sua mulher e filha e, a partir daí, passaram a levar uma vida familiar guiada pelos preceitos cristãos.
Devida a problemas internos no seio da Igreja e pelo exemplo que dava da sua vida familiar, foi convidado a ser bispo, o que implicava o abandono da sua família.
Foi eleito bispo da sua cidade natal cerca do ano 350 e combateu valorosamente a heresia dos arianos. Foi perseguido pelos imperadores e foi exilado pelo imperador Constâncio.
Esse exílio não o derrotou, aproveitou para estudar e conhecer comunidades cristãs mais antigas. escreveu livros contra os imperadores Constâncio e Auxêncio. Escreveu também obras sobre a Santíssima Trindade e comentários sobre os Salmos. Compôs hinos litúrgicos para familiarizar os fiéis com a teologia e mantê-los mais ligados às celebrações.
Morreu no ano de 367e imediatamente passou a ser considerado santo. Uma frase sua mostra como viveu destemidamente o combate contra os hereges: "Enganam-se os que julgam que me farão calar. falarei pelos escritos e a palavra de Deus, que ninguém pode aprisionar, voará livre."
O Papa Pio IX canonizou-o como Doutor da igreja.


É padroeiro dos combatentes das heresias.


"Para nós, o temor de Deus fundamenta-se no amor e atinge a sua plenitude no exercício da perfeita caridade. O nosso amor a Deus leva-nos a seguir os Seus conselhos, a cumprir os Seus mandamentos, a confiar nas Suas promessas."


Dos Tratados de Santo Hilário, bispo, sobre "O Verdadeiro temor do Senhor"


"O exercício da palavra que me concedeste não pode ser recompensa maior do que a de Vos servir pregando-Vos, e demonstrar ao mundo que o ignora, ou ao herege que o nega, que sois Pai, o Pai de Deus Unigénito."


Do Tratado de Santo Hilário, sobre a Trindade "Pregando-Vos, Vos servirei"


Oração:


Ó Deus, que marcaste pela Vossa doutrina a vida de Santo Hilário de Poitiers, concedei-nos, por sua intercessão, que sejamos fiéis à mesma doutrina e a proclamemos em nossas ações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
12 de janeiro


S. BENTO BISCOP


Nasceu no ano 628, na Nortúmbria, Irlanda. De origem nobre, tornou-se um guerreiro de alta patente mas o chamado de Deus na sua vida foi mais forte que os apegos terrenos. Aos vinte e cinco anos abandonou a sua vida na corte e a família e dedicou-se ao serviço do Rei que realmente contava: Cristo, e o Evangelho.
No ano de 653 fez a primeira de seis viagens a Roma. Era um profundo seguidor dos santos apóstolos Pedro e Paulo e dos papas e estas peregrinações a Roma serviam também para aprender sobre a vida monástica.
Foi incumbido, pela Santa Sé, da visita a Inglaterra acompanhando o novo bispo de Cantuária, Teodósio. Acabou por se tornar um dos principais responsáveis pela evangelização desta região. Das suas viagens a Roma trazia livros sobre arte, ciências e outros assuntos.
Era um perfeccionista, interessava-se por saber mais e por encontrar livros e documentos iconográficos que favorecessem o culto em sintonia com a igreja de Roma.
Em 674 fundou um mosteiro em honra de S.Pedro e, anos mais tarde, um outro em honra de S. Paulo. Trouxe também artesãos de França para a construção destes mosteiros em Inglaterra e, em certa altura, chegou mesmo a pedir ao Papa Agatão que lhe enviasse o cantor da basílica de S. Pedro para que os monges dos dois mosteiros pudessem absorver plenamente a liturgia e o canto.
Os últimos anos da sua vida foram de debilidade física e deu sempre o exemplo de enorme paciência e resignação cristãs.
Morreu a 12 de janeiro de 690 e aos seus monges disse que lhes deixava em testamento o melhor de todo o seu aprendizado e seleção de tudo o que tinha observado pelos dezassete mosteiros por onde tinha passado.


Oração:


Deus, nosso Pai, educai-nos para o amor, para o perdão e para a paz. Saibamos agradecer-Vos pelas maravilhas que operais em nós. Dai-nos a fé que move montanhas e a esperança que nos faz atravessar vales tenebrosos sem vacilar.
 Ámen.