sexta-feira, 25 de dezembro de 2015



Espalhe a magia do Natal
usando AMOR, BONDADE e VONTADE de fazer acontecer as coisas.

Feliz NATAL!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015


NOSSA SENHORA AUXILIADORA ou MARIA AUXILIADORA - dia 24 de maio



   No ano de 1571, o Papa Pio V, após a grande vitória dos cristãos sobre os muçulmanos no estreito de Lepanto (porta de entrada para a Europa), instituiu a invocação de Nossa Senhora Auxiliadora ou Maria Auxiliadora.
   Antes desta vitória, os turcos do Império Otomano estavam prestes a invadir  a Europa através do Estreito de Lepanto. O líder das tropas, Ali-Pachá, por onde passava deixava um rasto de destruição no mundo cristão: igrejas incendiadas, religiosos mortos, crianças, mulheres violadas, cidades arrasadas, só por serem cristãos.
   Na Europa, a Igreja Católica atravessava um momento de fragilidade, com divisões provocadas pelo início do protestantismo. O Papa Pio V conseguiu unir a Europa, com grande esforço, para se defenderem do inimigo otomano, cujo potencial bélico era muito superior ao europeu.
   O comandante da frota era D. João da Áustria e a preparação para o combate, entre os soldados católicos, começou três dias antes: confessaram-se, jejuaram e rezaram o rosário durante esse tempo. No dia 7 de outubro de 1571, começou a maior batalha naval de sempre.
   Durante dez horas pelejaram sem cessar, mas os soldados cristãos começaram a temer uma derrota. De repente, ficaram suspensos ao verem os otomanos baterem em retirada, apavorados. Depois de feito o balanço, as perdas dos católicos foram significativamente inferiores às dos otomanos.
   Alguns destes homens, feitos reféns, confessaram que tinham visto no céu uma majestosa Senhora que os assustou de tal forma que fugiram. Este acontecimento ficou registado nos diários de bordo dos navios.
   Mais tarde, os soldados vieram a saber que enquanto durava a batalha de Lepanto, em Roma, os cristãos e o Papa Pio V rezaram incessantemente o Rosário de Nossa Senhora. Nesse tempo, o Papa teve uma visão da vitória em Lepanto, facto que lhe foi confirmado quinze dias depois.
   Em agradecimento à intervenção da Virgem, o Papa introduziu a invocação Auxílio dos Cristãos na Ladainha de Nossa Senhora. Daí advêm então os títulos de Nossa Senhora Auxiliadora e Maria Auxiliadora.
   Dom Bosco foi o maior devoto e divulgador da devoção a Nossa Senhora Auxiliadora.
   No dia 17 de maio de 1903, o Papa Leão XIII, coroou solenemente a imagem de Maria Auxiliadora, no Santuário de Turim.
   A devoção a Nossa Senhora Auxiliadora é uma bênção para todos aqueles que a procuram, em especial nos momentos difíceis da vida, nas batalhas que se travam, na luta contra o mal e nos momentos de angústia. Esta devoção tem feito maravilhas na vida de quem a procura e continuará para todos os que nela têm fé, esperança e amor.

   Maria Auxiliadora é a protetora do lar.


Oração:

Santíssima Virgem Maria, a quem Deus constituiu Auxiliadora dos Cristãos, 
nós vos escolhemos como Senhora e Protetora desta casa.
Dignai-vos mostrar aqui o vosso auxílio poderosos.
Preservai esta casa de todo o perigo: do incêndio, da inundação, do raio,
das tempestades, dos ladrões, dos malfeitores, da guerra e
de todas as outras calamidades que conheceis.
Abençoai, protegei, defendei e guardai como coisa vossa as pessoas
que vivem nesta casa. 
Concedei-lhes a graça mais importante: 
a de viverem sempre na amizade Deus, evitando o pecado.
Dai-lhes a fé que tivestes na Palavra de Deus e o amor que nutriste
para com vosso Filho Jesus e para com todos aqueles
pelos quais Ele morreu na cruz.
Maria, Auxílio dos Cristãos, rogai por todos os que moram nesta casa
que vos foi consagrada.
Ámen.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

SÃO JOÃO BATISTA DE ROSSI - dia 23 de maio




   João Batista de Rossi é oriundo de Itália, de Voltaggio, província de Génova, onde nasceu no dia 22 de fevereiro de 1698. Tinha apenas dez anos quando foi viver para Génova, trabalhando como pajem para uma família rica para poder custear os seus estudos. Com treze anos mudou-se para Roma, foi viver para casa de um primo que era sacerdote, e continuou os estudos, agora no Colégio Romano dos Jesuítas. Doutorou-se em filosofia e, mais tarde, formou-se em Teologia, com os dominicanos de Minerva.
   João Batista também evangelizava, mesmo antes de se ter tornado sacerdote. O seu público eram os jovens e as pessoas abandonadas e pobres. Com o esforço intelectual e físico das suas diversas atividades, teve um esgotamento que desencadeou ataques epiléticos e uma doença grave afetou-lhe os olhos. Nunca se recuperou totalmente e teve de aceitar essa condição para o resto da vida. Mas isso não o impediu de continuar as suas penitências, especialmente a pouca alimentação, que foi minando a sua saúde já de si frágil.
   Ordenou-se sacerdote no dia 8 de março de 1721. Decidiu fundar a Pia União de Sacerdotes Seculares, Foi seu dirigente durante alguns anos e por ali passaram figuras ilustres do clero romano.
   Fundou e dirigiu também a Casa de Santa Gala, destinada a rapazes carenciados, e a Casa de São Luís Gonzaga (santo da sua devoção), para raparigas.
   Evangelizava os pobres, os doentes e os presos, era atencioso e paciente e os seus conselhos eram sempre muito apreciados. As suas pregações atraíam cristãos de toda a cidade e mesmo dos arredores. Era incansável e, sob a sua direção, não havia nenhum necessitado que ficasse sem consolo.
   No dia 23 de maio de 1764 morreu este santo, João Batista de Rossi, vencendo-o a idade e a doença. Era tão pobre que o enterro foi custeado pelos seus devotos fiéis. JoãoBatista de Rossi foi canonizado em 8 de dezembro de 1881, pelo Papa Leão XIII.

Oração:

Senhor, por intercessão de São João Batista de Rossi, peço-Vos o dom da Fortaleza para que possa enfrentar com Mansidão as dificuldades diárias. Com a mesma fé de tão nobre alma, rogo-Vos pela graça de que tanto necessito. Desde já eu Vos agradeço, meu Senhor e meu Deus, pelos cuidados que tendes comigo. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.




quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Santa RITA DE CÁSSIA - dia 22 de maio


Santa Rita nasceu em 1381, na cidade de Cássia,  na região da Úmbria, em Itália. Desde muito cedo que Rita se comportava de forma diferente das outras crianças, isolava-se e rezava.
Casou com Paulo Ferdinando, para fazer a vontade dos pais que já eram velhos. Inicialmente, Ferdinando era bom e responsável mas, com o tempo, mostrou o seu verdadeiro caráter de homem rude, violento e agressivo. Rita suportava tudo com paciência na esperança de que as suas orações conseguissem convertê-lo. Paulo acabou por se converter tornando-se bom marido e bom pai mas o seu passado veio atrás de si e ele foi assassinado, provocando muita dor a sua mulher. Rita dedicou-se aos filhos e estes, que ainda eram pequenos, descobriram mais tarde a causa da morte do pai e resolveram vingá-lo. A mãe tentou demovê-los dessa vingança e, como os resultados foram infrutíferos, pediu a ajuda de Deus para que essas ideias lhes saíssem da cabeça e, caso não fosse possível, que Deus os levasse para junto de Si. Menos de um ano depois, os rapazes morreram sem concretizar a vingança.
Sozinha, decidiu dar um novo rumo à sua vida e seguir a sua vocação de criança, ser uma monja agostiniana. As duas primeiras tentativas não foram bem sucedidas mas Rita pediu com fervor aos santos da sua devoção, Santo Agostinho, São João Baptista e São Nicolau e estes apareceram e levaram-na para dentro dos portões do convento. Depois deste milagre ela foi aceite na Ordem.
A sua vida passou a ser de oração e penitência, seguindo as regras agostinianas da humildade. A sua fé era tão intensa que lhe apareceu na testa um espinho da coroa de Cristo, estigma que a acompanhou até ao fim da vida e que ela sofreu silenciosamente para salvação da humanidade.
Rita morreu em 1457, com setenta e seis anos, na sua cidade natal. A fama da sua santidade espalhou-se e muitos milagres foram concedidos por sua intercessão. Foi canonizada pelo Papa Leão XIII, em 1900.
Por causa da sua vida tão sofrida, os crentes consideram-na a "santa das causas impossíveis". O seu culto é celebrado por todo o mundo.

Oração:

Ó poderosa e gloriosa Santa Rita,
eis a vossos pés uma alma desamparada que,
necessitando de auxílio,
a vós recorre com a doce esperança de ser atendida,
pois sois a SANTA DOS CASOS IMPOSSÍVEIS E DESESPERADOS.
Ó cara Santa, interessai-vos pela minha causa,
intercedei junto de Deus
para que me conceda a graça de que tanto necessito
(dizer a graça que deseja).
Não permitais que tenha de me afastar
dos vossos pés sem ser atendido.
Se houver em mim algum obstáculo 
que me impeça de receber a graça que imploro,
auxiliai-me para que o afaste.
Envolvei o meu pedido
em vossos preciosos méritos
e apresentai-o a vosso celeste esposo, Jesus,
em união com a vossa prece.
Ó Santa Rita,
eu ponho em vós toda a minha confiança,
por vosso intermédio,
espero com fé a graça que vos peço.

Assim seja!

Rezar 1 Pai Nosso, 1 Avé Maria e Glória



 

terça-feira, 29 de setembro de 2015


Santo ANDRÉ BÓBOLA - dia 21 de maio


   Santo André nasceu na Polónia, no século XVII. Pertenceu à Companhia de Jesus como sacerdote jesuíta que dedicou a sua vida aos jovens, ao anúncio da Palavra de Deus num tempo difícil, de cismas, em que a as pessoas não obedeciam aos ensinamentos da Igreja. Ficou conhecido como caçador de almas pois toda a sua vida foi dedicada à salvação de tantas almas quantas pôde.
    Viveu num tempo de oposição política entre a Polónia e a Rússia. Durante uma invasão da Rússia ao território polaco, os seus antagonistas aproveitaram para o entregar aos soldados cossacos. Foi preso injustamente e sofreu muito às mãos dos invasores, apesar disso nunca renunciou à sua fé, preferiu abdicar da vida mas não da fé em Deus. Morreu no ano de 1657.

Oração:

Pai Santo, que eu saiba reconhecer-Te na pessoa de Jesus, como Santo André Bóbola, e que o meu exemplo seja também inspirador para muitas almas.Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.


segunda-feira, 28 de setembro de 2015

SÃO BERNARDINO DE SENA - dia 20 de maio


Bernardino nasceu no dia 8 de setembro de 1380. Era da família dos Albizzeschi, uma família da nobreza. Ficou órfão de mãe com apenas três anos de idade e foi criado por duas tias muito religiosas, na cidade de Sena, que o levaram a descobrir a devoção a Nossa Senhora e a Jesus Cristo.
Fez os seus estudos na Universidade de Sena e formou-se com vinte e dois anos. Ingressou na Ordem de São Francisco afastando-se da vida mundana. Com trinta e cinco anos começou a sua vida de pregação, foi o pregador mais brilhante da sua época, e essa foi a sua missão até morrer. Viajou  por todo o território italiano pregando o Evangelho e falando de caridade, de humildade e de justiça.
As suas pregações conquistavam o público e não raro fazia queima de livros impróprios em praça pública.
A sua saúde foi-se debilitando mas o seu ardor pelo Evangelho não o parava. Morreu no dia 20 de maio de 1444, no convento de Áquila, com sessenta e quatro anos de idade.

Padroeiro dos publicitários.

Oração:

Ó Pai, pela Vossa misericórdia, São Bernardino de Sena anunciou as insondáveis riquezas de Cristo. Concedei-nos, por sua intercessão, crescer no Vosso conhecimento e viver na Vossa presença segundo o Evangelho, frutificando em boas obras. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.

domingo, 13 de setembro de 2015

SANTO IVO - dia 19 de maio



Yves Hélory nasceu na Bretanha, em França, no dia 17 de outubro de 1253. A sua família pertencia à pequena burguesia e Yves recebeu uma educação cuidada e cristã. Depois de terminar os estudos, com 14 anos, foi para a Universidade de Paris para estudar Teologia e ali foi aluno de São Tomás de Aquino. 
Participou de várias conferências, com São Boaventura, aprendendo os preceitos franciscanos. Em 1277, partiu para Orléans onde se especializou em Direito Civil e Canónico, regressando depois à Bretanha.
Trabalhou como conselheiro jurídico e juiz eclesiástico e também como juiz episcopal na arquidiocese de Rennes. Julgava todo o tipo de casos como heranças, litígios, ...com exceção de processos criminais.
Em 1824 foi ordenado sacerdote continuando, contudo, a exercer a profissão de advogado e juiz. Era chamado "Advogado dos Pobres" pois defendia os mais desfavorecidos, construindo mesmo um hospital onde ajudava, pessoalmente, a cuidar dos doentes.
Gostava de passar a noite em estudo e oração mas também saía em busca dos mais necessitados pregando, orientando e ajudando financeiramente quem precisava, conseguindo o respeito e admiração de todos.
Santo Ivo de Kemartin morreu com 50 anos, de causas naturais, no dia 19 de maio de 1303. Está sepultado na Catedral de Tréguier, atraindo numerosos fiéis. Foi canonizado no ano 1347.
Em Itália, a igreja de Sant'Ivo Allá Sapienza, é dedicada a este santo. Ele é representado com uma bolsa na mão direita (dinheiro que dava aos pobres), e um papel enrolado na mão esquerda (advogado).
Padroeiro dos advogados.























Oração:



























Glorioso Santo Ivo, lírio da pureza, apóstolo da caridade e intrépido defensor da justiça, vós que, vendo nas leis humanas um reflexo da lei eterna, soubestes conjugar maravilhosamente os postulados da justiça e o imperativo do amor cristão, assisti, iluminai, fortalecei a classe jurídica, os nossos juízes e advogados, os cultores e intérpretes do direito, para que nos seus ensinamentos e decisões, jamais se afastem da equidade e da retidão. Amem eles a justiça, para que consolidem a paz; exerçam a caridade, para que reine a concórdia; defendam e amparem os fracos e desprotegidos, para que, posposto todo interesse subalterno e toda afeição de pessoas, façam triunfar a sabedoria da lei sobre as forças da injustiça e do mal. Olhai também para nós, glorioso Santo Ivo, que desejamos copiar os vossos exemplos e imitar as vossas virtudes. Exercei, junto ao trono de Deus, a vossa missão de advogado e nosso protetor, a fim de que as nossas preces sejam favoravelmente despachadas e sintamos os efeitos do vosso poderoso patrocínio. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.





























segunda-feira, 7 de setembro de 2015

SÃO JOÃO I - dia 18 de maio

 

João é natural de Túsculo, em Itália. No ano 523, foi eleito o sucessor do Papa Hormisda.
O Papa Hormisda e o imperador Justino tinham feito cessar o cisma entre Roma e Constantinopla. No final de 524, este imperador decretou o fecho das igrejas arianas de Constantinopla e a exclusão dos arianos de funções civis e militares.
No tempo do Papa João I, Roma era governada pelo imperador Teodorico, o Grande, rei dos bárbaros arianos que tinham invadido a Itália. O imperador obrigou o Papa João I a ir até Constantinopla para pedir ao imperador Justino a revogação daquele decreto.
O imperador não acedeu, não aceitou parar com a perseguição aos arianos mas, concordou em devolver as igrejas confiscadas apesar de manter a proibição de arianos convertidos ao catolicismo poderem voltar ao arianismo.
O imperador Teodorico não aceitou o fracasso da missão do Papa João I e, quando ele voltou a Roma, foi detido e feito prisioneiro em Ravena. Morreu no dia 18 de maio de 526. Foi declarado mártir da Igreja.

Oração:

Ó Deus de infinita misericórdia, que consagrastes este dia ao martírio do Papa João I, ouvi as preces do Vosso povo e concedei que, celebrando os seus méritos, possamos imitar a sua constância na fé.Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.



quinta-feira, 3 de setembro de 2015

LER & MEDITAR

Resultado de imagem para imagens paisagens zen

A oração consiste em não pensar muito,
mas em amar muito.

Santa Teresa de Jesus

sábado, 29 de agosto de 2015

LER & MEDITAR

Resultado de imagem para paisagem zen

À medida que o o amor cresce em si, a beleza também cresce.
O amor é a beleza da alma.

Santo Agostinho de Hipona

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

LER & MEDITAR

 

Por falta de governo, arruína~se o povo;
onde há muitos conselheiros, aí haverá salvação.

Provérbios 11, 14

terça-feira, 25 de agosto de 2015

LER & MEDITAR

 

Os vícios

O trabalhador dado ao vinho não enriquecerá;
aquele que não cuida do pouco que tem, cairá na miséria.
O vinho e as mulheres fazem sucumbir os próprios sábios,
aquele que se junta com prostitutas perderá toda a vergonha.

Ben Sira 19, 1-2

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

SÃO PASCOAL BAYLON - dia 17 de maio

 

Pascoal Baylon é espanhol, nascido na cidade de Torre Hermosa, no dia 16 de maio de 1540. De família humilde, muito novo se tornou pastor de ovelhas e, aos dezoito anos, tentou a entrada no convento franciscano de Santa Maria do Loreto, para seguir a sua vocação. A primeira tentativa não foi frutuosa mas, em 1564, depois de ter recusado a herança que um homem rico que ele havia curado e por causa dos seus dons carismáticos, teve finalmente entrada na Ordem.
Pela humildade que lhe era inerente, Pascoal foi sempre um irmão leigo que exercia funções de porteiro e ajudando no que era preciso. Era um homem bom e caridoso, fazendo muita oração e penitência. Por ser de origem humilde, não tinha formação intelectual mas muitos dons lhe foram dados pelo Espírito Santo.
A sua fama era tal que a ele acorriam personalidades ilustres da época, recorrendo ao seu aconselhamento sábio. Também o seu superior lhe confiava tarefas importantes, como transportar documentos importantes até Paris. Essa viagem, fê-la Pascoal descalço, a pé, vestindo o hábito franciscano e correndo sérios riscos de vida.
Defendia com paixão a sua fé e lutou contra os calvinistas franceses que negavam a eucaristia. Com a sua pouca cultura, era um homem loquaz quando dissertava sobre a sua espiritualidade e a eucaristia.
É considerado um dos primeiros teólogos da eucaristia pois deixou-nos um pequeno livro onde comprova a presença real de Cristo na eucaristia, bem como o poder sagrado que é transmitido ao sacerdote.
No dia 17 de maio de 1592, com cinquenta e dois anos, Pascoal exalou o último suspiro em Vila Real, Valência. Foi canonizado em 1690.

Padroeiro das obras e dos congressos eucarísticos, nomeado pelo Papa Leão XIII.

Oração:

Permite, Senhor, que por intercessão de São Pascoal Baylon cultive eu, também, muito amor pela Sagrada Eucaristia e que seja para mim fonte de comunhão cada vez maior com Cristo e com a Igreja. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.


quarta-feira, 19 de agosto de 2015

LER & MEDITAR

 
 
O orgulho origina contendas; mas a sabedoria está com 
os que aceitam conselho.
 
Provérbios 13, 10

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

SÃO JOÃO NEPOMUCENO - dia 16 de maio
 

Nasceu no ano 1330, em Nepomuk, região da Boémia, na atual República Checa.Os pais tinham já uma idade avançada e eram pobres mas, ainda assim, João formou-se em teologia e direito canónico na universidade de Praga, estabelecimento moderno e muito avançado para a época.
Desde muito cedo que João sabia que a sua vocação era servir a  Deus. Quando se tornou sacerdote, tratou de pôr a render o seu talento de orador sacro, e fê-lo tão brilhantemente que foi convidado para ser capelão e confessor na corte. O rei, Venceslau IV, era um homem de difícil trato e com mau caráter, e deu muito trabalho a João. Já a imperatriz, Joana da Baviera, era uma mulher bondosa e caridosa e fez do sacerdote João seu confessor e seu guia espiritual.
Não se sabe bem como ocorreu o seu martírio, mas sabe-se que o rei Venceslau queria controlar tudo, incluindo a Igreja, e não aceitou de bom grado a chegada do novo bispo que foi enviado por Roma a pedido da rainha. Diz-se, então, que Venceslau queria que João quebrasse o segredo de confissão da rainha, coisa a que não acedeu. Por isso, foi torturado e morto. Depois, às escondidas, o seu corpo foi deitado ao rio Vitava a 16 de maio de 1383.
No dia seguinte, o cadáver apareceu a boiar no rio e a população pôde vê-lo circundado por uma luz misteriosa com cinco estrelas. Foi recolhido e perceberam que era o capelão João. Toda a cidade ficou a saber o que acontecera e que havia mão do rei Venceslau em tal ato. Em procissão, o corpo foi levado e enterrado na Igreja de Santa Cruz, onde ainda se encontra.
João Nepomuceno foi canonizado em 1729 e é hoje celebrado como mártir da confissão e venerado na cidade de Praga.

Padroeiro dos confessores.

Oração:

Concedei-me, ó Senhor do céu e da terra, ser sempre firme na luta pelos direitos da fé e da Igreja e, por intercessão de São João Nepomuceno, dai-me, Senhor, a graça que vos peço. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.

sábado, 8 de agosto de 2015

SANTO ISIDORO, o LAVRADOR - dia 15 de maio
1080 - 1130




Isidoro nasceu no ano 1030 em Madrid, Espanha, no seio de uma família de gente muito pobre. Desde muito novo começou a trabalhar no campo.
Casou-se jovem com Maria Turíbia e tiveram um filho. O único filho do  casal morreu e Isidoro decidiu seguir uma vida de castidade servindo a Deus, mas continuando a sua vida de trabalhador do campo.
Todos os dias se dedicava à oração. Abandonando o trabalho, afastava-se dos companheiros de trabalho e, num local isolado, ajoelhava-se e passava longo tempo agradecendo e louvando o Senhor. Isidoro compensava o tempo de oração trabalhando na hora do almoço, a hora de maior calor, o que intrigava os colegas que resolveram denunciá-lo ao patrão.
O dono dos campos foi averiguar a situação e, sem ser visto, observou Isidoro que orava e viu também que enquanto ele rezava, dois homens de vestes brancas e brilhantes continuavam o seu trabalho. O dono das terras percebeu que eram anjos e passou a venerar o seu empregado.
Isidoro trabalhou sempre como camponês até ao fim da sua vida.
Morreu com sessenta anos e atribuem-se-lhe muitos milagres.

Padroeiro da cidade de Madrid e da Conferência Nacional da Vida Rural, nos Estados Unidos da América.

Oração:

Santo Isidoro, a vossa fé levava-vos a esquecer o mundo para contemplar as belezas do Reino de Deus. Dando-vos em oração, os anjos completavam o vosso trabalho como agricultor. Abençoai-me, Santo Isidoro! Abençoai a minha família, a minha terra, a minha horta, as minhas plantações, a minha criação: Pedi aos anjos que sustentem as minhas forças nas horas de cansaço. Abri os meus olhos e fazei-me ver, na semente que nasce, na flor que desabrocha, no fruto que amadurece, a força criadora de Deus omnipotente. Fortalecei a minha fé, dai-me gosto pela oração, que a minha piedade atraia as bênçãos de Deus e dos anjos do céu para o trabalho das minhas mãos e faça frutificar a minha plantação. Ámen.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

SÃO MATIAS - dia 14 de maio

 

São Matias foi discípulo de Jesus e foi quem substituiu Judas Iscariotes. Era um dos numerosos discípulos que seguiram Jesus, desde o início da Sua vida pública. Testemunhou os acontecimentos da vida do Mestre, entre os quais a paixão e a ressurreição.

Nos Atos dos Apóstolo, é assim descrita a sua eleição:

"Portanto, de entre os homens que nos acompanharam durante todo o tempo em que o Senhor Jesus viveu no meio de nós, a partir do batismo de João até ao dia em que nos foi arrebatado para o Alto, é indispensável que um deles se torne, connosco, testemunha da sua ressurreição.
Designaram dois: José, de apelido Barsabas, chamado Justo, e Matias. Fizeram, então, a seguinte oração: "Senhor, Tu que conheces o coração de todos, indica-nos quais destes dois escolhestes para ocupar, no ministério apostólico, o lugar abandonado por Judas, que foi para o lugar que merecia." Depois, tiraram à sorte, e a sorte caiu em Matias, que foi incluído entre os onze Apóstolos." (Atos dos Apóstolos 1, 21-26)

Padroeiro dos carpinteiros.

Oração:

Concedei-nos, Senhor do mundo, a fé inabalável dos primeiros apóstolos e, por intercessão de São Matias, alcançar a Graça que tanto necessito. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.




terça-feira, 4 de agosto de 2015

LER & MEDITAR


O ímpio enreda-se nos pecados da língua,
mas o justo liberta-se da angústia.

Provérbios 12, 13

sexta-feira, 31 de julho de 2015


NOSSA SENHORA DE FÁTIMA 

dia 13 de maio

 

No dia 13 de maio de 1917, quando os três pastorinhos, Lúcia, Francisco e Jacinta, estavam a tomar conta do seu rebanho, sobre uma pequena árvore surge um clarão e viram "uma Senhora vestida de branco, mais brilhante que o sol, reluzindo mais clara e intensa que um copo de cristal cheio de água cristalina, atravessado pelos raios de sol mais ardente."
Lúcia tinha então dez anos, e os primos, Francisco, nove e Jacinta, sete. Depois desta aparição, as crianças mudam radicalmente, passam a rezar e a fazer sacrifícios diariamente. Lúcia, a mais velha, pediu aos primos que não contassem nada, mas Jacinta não se conteve e contou aos pais o que se passava e logo uma multidão começa a acompanhar as crianças nos encontros com Nossa Senhora, na Cova da Iria, nos dias 13 de cada mês.
No dia 13 de julho, Lúcia não sabia se havia de ir ao encontro, porém Jacinta acabou por a convencer e nesse dia, data da terceira aparição, Nossa Senhora prometeu um milagre para que as pessoas acreditassem neles.
A 13 de outubro, data da última aparição, setenta mil pessoas encontravam-se no local e puderam testemunhar o milagre: o sol parecia mover-se, crescendo entre chamas multicolores. Foi também nesta data que a Igreja reconheceu os milagres.
As mensagens que Nossa Senhora deixou, foram pedidos ao povo para fazerem orações, penitências, conversão e fé.
Poucos anos depois Jacinta e Francisco morreram. Lúcia tornou-se religiosa de clausura e adotou o nome de Lúcia de Jesus, ficando isolado do mundo durante muitas décadas.
Fátima continua a ser local de peregrinações vindas de todo o mundo, onde os peregrinos rezam e pedem a intervenção de Nossa Senhora nas suas vidas.
Em 1946, na presença do cardeal legado, e no meio de uma multidão de oitocentas mil pessoas, foi coroada a estátua de Nossa Senhora. Em 1951, o Papa Pio XII estabeleceu que o encerramento do ano santo fosse celebrado no santuário de Fátima. No 50º aniversário das aparições, a 13 de maio de 1967, o Papa Paulo VI reuniu-se à irmã Lúcia e a mais de um milhão de peregrinos, em Fátima. O Papa João Paulo II era devoto da Senhora de Fátima e ali esteve presente mais de uma vez para lhe prestar a sua homenagem.

Oração:

Santíssima Virgem, que nos montes de Fátima vos dignastes revelar aos três pastorinhos os tesouros das graças que podemos alcançar, rezando o Santo Rosário, ajudai-nos a apreciar sempre mais esta oração, a fim de que, meditando os mistérios da nossa redenção, alcancemos as graças que insistentemente vos pedimos, Maria Santíssima, volvei vossos olhos misericordiosos para este mundo tão necessitado de paz, de saúde e de justiça. Vinde em nosso auxílio, Mãe dos Aflitos, e socorrei-nos com vosso Amor e Piedade. Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!
Santuário de Fátima, 2014


quinta-feira, 30 de julho de 2015

 
 
- Irmã árvore, fala-me de Deus.
E a árvore cobriu-se de flores.
 
N. Kazantzaki
 

terça-feira, 28 de julho de 2015

LER & MEDITAR
 
 
A sabedoria do homem sagaz é discernir o seu próprio caminho.
 
Provérbios de Salomão 14,8


quinta-feira, 23 de julho de 2015

LER & MEDITAR

 

Aplica o teu coração à instrução, e os teus ouvidos, às palavras de conhecimento.

Provérbios de Salomão 23, 12

quarta-feira, 22 de julho de 2015


SÃO PANCRÁCIO - dia 12 de maio

 

Pancrácio é oriundo de Roma, filho de pais ricos, nobres e cristãos e também amigos do imperador Diocleciano. Os pais morreram quando era ainda criança e foi viver com um tio chamado Dionísio. Com a ajuda do tio estudou em Roma e ficou até a morar na mesma casa onde o Papa Marcelino fazia o seu retiro, este respeitava Pancrácio pelas suas qualidades como a modéstia, a bondade, a piedade a fé.
Diocleciano era conhecido pelas perseguições que movia contra os cristãos. Pancrácio e o tio foram denunciados e julgados. O tio foi de imediato morto. O jovem Pancrácio, que contava então apenas catorze anos,  mereceu alguma consideração por parte do imperador, atendendo à sua idade e aos laços de amizade que o tinham ligado à família do jovem. O imperador tentou convencê-lo a mudar a sua fé mas Pancrácio, apesar de jovem, não se deixou seduzir, e manifestou claramente que não temia a morte, pois ela o levaria de imediato até Deus. O imperador não esperou mais e mandou decapitá-lo. Isso aconteceu no dia 12 de maio de 304.
O seu túmulo está no cemitério de Ottavilla, na Via Aurélia, uma das mais famosas de Roma, onde o Papa Símaco, no século VI, mandou erigir uma igreja em sua homenagem.
Muitas outras igrejas foram construídas em louvor do santo, nomeadamente em outras localidades de Itália, França, Espanha e Inglaterra.
A sua fama e devoção espalharam-se e  mantêm-se até ao presente.

Padroeiro dos enfermos em Itália, dos trabalhadores em Espanha e da Juventude de Ação Católica na América Latina.

Oração:

Ó glorioso São Pancrácio, alcançai-me de Deus o trabalho honrado e suficiente para as minhas necessidades nesta vida temporal. Peço ainda saúde e força para fazer o meu trabalho e, através de vós, confio que que alcançarei a glória de Deus. Ámen.
 

sexta-feira, 17 de julho de 2015

LER & MEDITAR

 

A paciência vale mais que valentia e
dominar a si mesmo
vale mais que conquistar uma cidade.

Provérbios de Salomão 16, 32

terça-feira, 14 de julho de 2015

SANTO INÁCIO DE LÁCONI - dia 11 de maio

 

Francisco Inácio Vicenzo nasceu em Láconi, na Itália do século XVIII. A sua família era gente pobre. Desde muito novo que Inácio se sentia fortemente atraído para a vida religiosa. Tinha dons especiais de profecia, de cura e um forte carisma.
Antes de completar vinte anos adoeceu gravemente e por duas vezes quase morreu. Foi nessa altura que prometeu que, se se curasse, seguiria o caminho de São Francisco de Assis, dedicando-se aos pobres e aos doentes.
Curou-se e foi para a cidade de Cagliari para viver  entre os frades capuchinhos do Convento do Bom Caminho. Não foi logo aceite por causa da sua saúde frágil mas, depois de recuperado, em 1721, tornou-se franciscano.
Andou por vários conventos e após quinze anos voltou ao Convento de Cagliari para aí permanecer. Viveu sempre dentro do espírito dos franciscanos: exemplo vivo de pobreza, dedicação absoluta aos pobres, aos desvalidos, aos doentes do corpo e da alma, aos pecadores, muitos dos quais ajudou a reencontrar o caminho da Salvação.
Nos cinco últimos anos da sua vida ficou cego mas isso não o impediu de continuar a cumprir rigorosamente todos os regulamentos do convento.
Morreu no dia 11 de maio de 1781. A fama da sua santidade espalhou-se devido aos milagres alcançados por sua intercessão.
Em 1940 foi beatificado e em 1951 canonizado pelo Papa Pio XII

Oração:

Ó Deus, que conduzistes Santo Inácio Láconi pelos caminhos da humildade, da inocência e da caridade para com os irmãos até à perfeição da santidade, concedei-nos, imitando as suas virtudes, viver a caridade aqui na Terra, em obras e em verdade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

LER & MEDITAR

 
 
Ele dará ordem a seus anjos a teu respeito, e eles te tomarão pelas mãos; para que não tropeces em alguma pedra.
 
Mateus 4, 6

domingo, 12 de julho de 2015


SANTO ANTONINO, arcebispo de Florença - dia 10 de maio
1389 - 1459

 

Antonino Pierozzi é natural de Florença, Itália, onde nasceu em 1389. Era filho único de pai tabelião e mãe dona de casa. Fez o curso de direito mas, no fundo, o jovem queria dedicar-se à vida religiosa.
A tentativa de entrar para a Ordem Dominicana foi-lhe negada, já que fisicamente era de compleição aparentemente frágil. O superior disse-lhe, no entanto, que se decorasse o Código do  Direito Canónico o aceitariam (missão que parecia impossível). Alguns meses depois, Antonino apresentou-se diante do superior e mostrou que o impossível deixara de o ser.
Foi admitido na Ordem  e tornou-se um modelo de religioso, embora muitos duvidassem da sua resistência física à disciplina e aos deveres físicos rigorosos que lhe eram exigidos. Foi ordenado sacerdote e ocupou cargos muito importantes, foi superior em várias casas, provincial e vigário-geral da Ordem. O seu exemplo quotidiano fazia dele um exemplo inspirador para os outros. Deixou escritos teológicos de grande valor.
Para ocupar uma vaga na Sé Episcopal de Florença, o Papa Eugénio IV nomeou Antonino para o cargo. Não quis tamanha responsabilidade e fugiu. Foi encontrado e, por força, teve de aceitar. Tal como tinha sido um exemplo nas outras funções, também em Florença não fez de forma diferente e tornou-se um pastor sábio e santo.
Teve uma intervenção significativa  no combate ao neopaganismo e defendeu o papado no Concílio de Basileia. A sua diocese tinha sempre as portas abertas, em especial para os pobres e necessitados e ninguém era mandado embora sem ser atendido.
Morreu com setenta anos, no dia 2 de maio de 1459.
O Papa Adriano VI canonizou Santo Antonino de Florença, em 1523. O seu corpo incorrupto está na basílica dominicana de São Marcos, em Florença, onde é venerado. A Ordem Dominicana celebra o santo no dia 10 de maio.

Oração:

Santo Antonino de Florença, que soubestes acolher a missão que Deus vos designou, fostes um santo em vida e jamais recusastes os sábios conselhos como a maior prova de amor para com  os vossos semelhantes, intercedei junto de Deus por nós, para que o Espírito Santo de Deus sopre sábios conselhos a todos aqueles que se dispõe a aconselhar. Que digamos sim aos chamados de Deus com docilidade e amor e sempre constantes à fé, pela misericórdia de Deus. Por Cristo Nosso Senhor. Ámen.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

 SÃO PACÓMIO, abade - dia 9 de maio
290 - 346
 

A vida dos eremitas, recheada de mortificações por vezes excessivas, jejuns prolongados, muitas vigílias seria realmente o que pedia o Evangelho? A vida solitária que escolhiam poderia ser uma manifestação de orgulho?
Um monge de origem egípcia, do século IV,  Pacómio, teve a ideia de uma nova vida monástica o cenobitismo, ou vida monacal organizada, com um superior, uma hierarquia e 192 preceitos.
Pacómio educou os seus discípiulos na vida comum, constituindo a primeira "Koinonia", ou comunidade cristã, nas margens do Nilo, segundo os moldes da criada pelos apóstolos em Jerusalém. Viviam em  comunhão de oração, de trabalho, de refeição e de reciprocidade.
São Pacómio influenciou toda a vida religiosa através dos séculos. Nasceu no Alto Egito, em 287 e os seus pais eram pagãos. Recrutado à força para o exército imperial, com vinte e dois anos, foi levado para Tebas prisioneiro com os outros recrutas. Protegidos pela escuridão da noite, alguns cristãos levaram-lhes comida. Pacómio ficou comovido com o gesto e perguntou-lhes quem os tinha enviado, e a resposta foi "O Deus dos céus". Nessa noite, Pacómio rezou ao Deus dos cristãos e pediu-Lhe que o livrasse das correntes, prometendo dedicar a sua vida ao Seu serviço.
Conseguiu a liberdade e não esqueceu a promessa feita, juntou-se a uma comunidade cristã de um povoado do sul onde fez a sua instrução para ser batizado. Durante uns anos fez uma vida de asceta, prestando serviço às pessoas do povoado e, mais tarde, submeteu-se à orientação de um velho monge, Palamon. Durante uma estadia solitária no deserto, uma voz misteriosa convidou-o a fixar-se naquele lugar e que logo viriam numerosos discípulos.
Por altura da sua morte já havia nove mosteiros masculinos e um feminino. Não se sabe onde foi sepultado porque pediu ao seu discípulo Teodoro que escondesse o seu corpo para que não se fizesse como era costume e construíssem uma igreja no local da sua tumba.

Padroeiro dos eremitas.

Oração:

Concedei-me, meu Deus, a graça de uma vida de oração e devoção, como a do Vosso servo São Pacómio e por sua intercessão dai-me a graça que Vos peço. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Ámen.



segunda-feira, 29 de junho de 2015

SÃO VÍTOR, o Mouro - dia 8 de maio

 

Vítor nasceu em África, mais precisamente na Mauritânia. Em criança já era cristão e, em adulto, fez parte do exército do imperador Maximiano.
 Este imperador decidiu  aniquilar uma rebelião na Gália, atual França e recrutou uma grande força militar no Oriente e no norte de África.
O batalhão em que vinha Vítor ficou estacionado em Milão. Antes da batalha, o imperador quis que todos oferecessem sacrifícios aos deuses pagãos e quem recusasse era morto.
Vítor recusou-se a prestar culto aos deuses pagãos reafirmando a sua condição de cristão. Foi presente a tribunal e interrogado, frisando quem era o seu Deus, mas isso não o impedia de ser leal, como militar, ao imperador. Foi condenado e encarcerado, ficando seis dias sem comida nem água. Depois, foi arrastado pelas ruas até ao hipódromo do Circo, onde foi novamente interrogado, desta vez pelo próprio imperador. Vítor só confirmou a sua fé. Foi flagelado, levado de volta à prisão onde lhe cobriram as feridas com chumbo derretido, mas Vítor saiu ileso desse horrível castigo.
Recuperou-se rapidamente e fugiu da cadeia escondendo-se numa estrebaria. Foi descoberto, levado para a floresta e decapitado no dia 8 de maio de 303.
A prisão onde esteve encarcerado, ao lado da Porta Romana, ainda hoje tem o nome de cárcere de São Vítor.
Diz a tradição milanesa que o corpo de Vítor ficou oito dias sem ser sepultado e quando o bispo Materno o encontrou, o seu corpo estava intacto e guardado por duas feras. Ali foi erigida uma enorme igreja que lhe foi dedicada. Outras igrejas e monumentos lhe foram dedicados na cidade de Milão.
O culto de São Vítor, o Mouro, espalhou-se pelo mundo católico do Ocidente e do Oriente.

Padroeiro dos prisioneiros e dos exilados.

Oração:

Meu Senhor, eu hoje Vos entrego a minha falta de coragem, os meus medos, as minhas inseguranças e tudo o que me tem impedido de prosperar. Por intercessão de São Vítor, Vos peço e agradeço, Senhor, a graça de que tanto necessito (dizer a graça). Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.
 

segunda-feira, 22 de junho de 2015


SANTA FLÁVIA DOMITÍLIA, virgem e mártir - dia 7 de maio
século I

 


Flávia Domitília era esposa do governador romano Flávio Clemente, pertencente à família dos Flavianos. Era a mesma família dos imperadores Vespaziano, Tito e Domiciano. Os dois primeiros não aplicaram o édito de Nero que considerava os cristãos criminosos, mas Domiciano aplicou-o e oprimia  cristãos e judeus com impostos.
Flávia teria sido convertida aos cristianismo por dois eunucos, Nereu e Aquiles, quando se preparava para o casamento. Falaram-lhe sobre Cristo e sobre a beleza da virgindade, e ela se terá convertido de imediato.
O marido apoiava-a  e permitia-lhe viver na sua fé e ela socorria os pobres e cuidava do enterro dos mártires. Porém, o marido foi assassinado por Domiciano que não tolerava cristãos na família e desterrou Flávia para a ilha de Ponza, onde foi vítima de maus tratos e foi martirizada. A sua morte foi lenta, cruel e dolorosa, sem as menores condições de sobrevivência, conforme deixou escrito São Jerónimo.

Oração:


Ó Senhor, pelos méritos de Santa Flávia Domitília, eu Vos peço perdão por todas as vezes em que não fui coerente com os ensinamentos de Jesus, pelo meu egoísmo, pelas vezes em que condenei os meus irmãos e por não ver as necessidades dos que estão à minha volta. Peço-Vos  a graça da fidelidade e da perseverança na Vossa Palavra, para que na prática da caridade eu descubra a alegria de ser cristão. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.

sábado, 20 de junho de 2015

SÃO LÚCIO DE CIRENE - dia 6 de maio

 

Lucas, nos Atos dos Apóstolos, afirma que Lúcio tinha parte ativa na comunidade cristã de Antioquia, bem como outros profetas e doutores, como Barnabé, Simeão (também chamado Níger), Manaen e Saulo:

"Havia na igreja, estabelecida em Antioquia, profetas e doutores: Barnabé, Simeão, chamado Níger, Lúcio de Cirene, Manaen, companheiro de infância do tetrarca Herodes, e Saulo." At 13, 1

Lúcio era de Cirene, na Líbia, e aí foi bispo nos primeiros tempos do cristianismo. Estes cinco profetas representavam a base da primitiva Igreja de Antioquia, segundo rezam os registos de Jerusalém.
Deste profeta só há indicação do lugar de origem mas não deve ser confundido com o mártir do mesmo nome que foi sacrificado no tempo do imperador Diocleciano, esse é celebrado noutra data.
No Martirológio Romano existem pelo menos vinte e dois santos com este nome e hoje comemora-se o santo mais antigo e do qual há menos informações.


Oração:

 Ó Deus, que fizestes de Lúcio de Cirene um evangelizador da Vossa doutrina, dai-nos, por sua intercessão,  a fé e a perseverança para seguirmos e espalharmos a fé cristã. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.



SANTO ÂNGELO - dia 5 de maio
1185-1220



Santo Ângelo nasceu no ano 1185, na cidade de Jerusalém. Os pais eram judeus, de seus nomes José e Maria, nomes que eram comuns naquela região. A conversão dos pais do santo aconteceu depois de Nossa Senhora ter dito a Ângelo, durante a sua oração, que iria ter um irmão. Os pais eram já idosos e parecia impossível que tal viesse a realizar-se mas, de facto, nasceu um menino a quem foi dado o nome de João e foi batizado juntamente com os pais.
Ângelo viveu em vários conventos, na Palestina e na Ásia Menor. Entrou para a Ordem do Carmo com dezoito anos e em 1213 foi ordenado sacerdote. Teve uma vida cheia de graças concedidas pelo Senhor, especialmente o dom da profecia e dos milagres, após ter vivido cinco anos no monte Carmelo, no mesmo lugar onde viveu o profeta Elias.
Segundo a tradição, Ângelo saiu do monte Carmelo com os primeiros carmelitas em direção a Roma, onde pretendiam obter a aprovação da Regra do Carmelo, do Papa Honório III, e foram de seguida para a Sicília. Ao visitar a basílica de São João, encontrou-se com os sacerdotes que se tornariam santos, Domingos de Gusmão e Francisco de Assis.
Dos seus maiores feitos, destaca-se o notável trabalho de evangelização e conversão que fez com os hereges da região.
No dia 5 de maio de 1220, o sacerdote Ãngelo fez a sua última pregação, na igreja de Licata, na Sicília. Foi assassinado.
Venerado pela população, mandaram erguer uma igreja em sua homenagem no local do seu martírio e onde ficou sepultado o seu corpo.
Foi canonizado em 1498. Em 1662 as suas relíquias foram trasladadas para a igreja dos carmelitas. O seu culto difundiu-se muito entre os seus fiéis e na Ordem do Carmo. A veneração ao santo mantém-se até aos nossos dias, sendo invocado em situações de dificuldade.
Esta fé chegou também à América, onde os primeiros carmelitas se instalaram e construíram igrejas.

Padroeiro de muitas localidades, em Itália e noutras regiões da Europa.

Oração:

Ó Deus de admirável providência que, no mártir Santo Ângelo, deste ao Vosso povo, pastor corajoso e forte, concedei-nos, por sua intercessão, ajuda nas tribulações e firme constância na fé. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Ámen.
  

sábado, 13 de junho de 2015


SANTA ANTONINA DE NICEIA - dia 4 de maio

 

Antonina, tem etimologia grega e significa nascida primeiro, ou que enfrenta os seus adversários. Era um nome muito popular entre os povos latinos e também entre os cristãos.
Santa Antonina, aparece no Martirológio Romano três vezes: 1 de março, 4 de maio e 12 de junho, como se fossem pessoas diferentes. No século XVI, César Baronio, cardeal e bibliotecário do Vaticano, unificou os calendários litúrgicos de várias regiões. Como Santa Antonina aparecia celebrada em diferentes países e em datas diferentes, não se deu conta de que era uma só pessoa. Em todos eles é descrito o fim da santa de forma diferente.
Apurou-se então o destino de Santa Antonina através de um códice Jeronimiano do século V, confirmando que só uma mártir com este nome tinha morrido em Niceia.
A santa foi martirizada no século IV, no tempo do imperador Diocleciano, na cidade de Niceia (atual Turquia). Foi denunciada como sendo cristã, foi presa e condenada à morte. Torturaram-na de muitas maneiras: com ferros em brasa, queimaram-lhe as mãos e os pés, depois foi amarrada e colocada numa pequena cela com chão forrado de brasas, onde esteve dois dias. Voltou ao tribunal e, como não renegou a sua fé, foi fechada dentro de um saco e atirada para o fundo de um lago pantanoso nos arredores de Niceia. Isto aconteceu no dia 4 de maio de 306, data em que se celebra esta santa e mártir.

Oração:

Ó Deus, que deste fé e coragem a Santa Antonina, concedei-me também ser firme na minha fé e dai-me coragem para enfrentar todas as tribulações da minha vida. Por Cristo Nosso Senhor. Ámen.




SÃO FILIPE E SÃO TIAGO, o Menor, Apóstolos - dia 3 de maio

Filipe é natural de Batsaida, é o quinto na enumeração dos Apóstolos. Ele é autor de uma epístola dirigida às comunidades cristãs. Depois de pregar pela Ásia Menor, aos oitenta e sete anos, é crucificado como Cristo.
São Tiago designado como "o Menor" para se distinguir do outro Tiago, irmão de João, é primo de Jesus. Alertava os homens para o peso das palavras, para não se usarem palavras supérfluas, pois delas se daria conta ao Criador. Morreu apedrejado em 62, após tentativa de o deitarem do pináculo do Templo. Foi condenado pelo sumo sacerdote Ananias II.

As relíquias de São Filipe e de São Tiago, dois mártires, foram levadas de Hierápolis para Jerusalém e daí para Roma, onde repousam na  igreja dos Santos Apóstolos. Daí veio a celebração de ambos no dia 3 de maio.

Esta é uma das passagens da Bíblia, onde Filipe é citado:

Depois disto, Jesus foi para a outra margem do lado da Galileia, ou de Tiberíades. Seguia-o uma grande multidão, porque presenciavam os sinais miraculosos que realizava em favor dos doentes. Jesus subiu ao monte e sentou-se ali com os seus discípulos.
Estava a aproximar-se a Páscoa, a festa dos judeus. Erguendo o olhar e reparando que uma grande multidão viera ter com Ele, Jesus disse então a Filipe: "Onde havemos de comprar pão para esta gente comer?" Dizia isto para o pôr à prova, pois Ele bem sabia o que ia fazer.
Filipe respondeu-lhe: "Duzentos denários de pão não chegam para cada um comer um bocadinho." Disse-lhe um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro: "Há aqui um rapazito que tem cinco pães de cevada e dois peixes. Mas que é isso para tanta gente?" Jesus disse: "Fazei sentar as pessoas."
Ora, havia muita erva no local. Os homens sentaram-se, pois, em número de uns cinco mil. Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os pelos que estavam sentados, tal como os peixes, e eles comeram quanto quiseram. Quando se saciaram, disse aos seus discípulos: "Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca." Recolheram-nos, então, e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada que sobejaram aos que tinham estado a comer.
Aquela gente, ao ver o sinal milagroso que Jesus tinha feito, dizia: "Este é realmente o Profeta que devia vir ao mundo!" Por isso, Jesus, sabendo que viriam arrebatá-lo para o fazerem rei, retirou-se de novo, sozinho, para o monte.
 João 6, 1-15
Oração:

Ó Senhor, por intercessão e méritos dos apóstolos Filipe e Tiago, eu Vos peço a graça do desassombro no anúncio e testemunho do Santo Evangelho. Abençoai-me e concedei-me os dons que me são necessários para que eu possa cumprir a minha missão evangelizadora na minha família, no meu trabalho e na sociedade. São Filipe e São Tiago, rogai por nós! Maria, rainha dos apóstolos, rogai por nós! Ámen.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

SANTO ATANÁSIO, bispo e doutor da Igreja - dia 2 de maio

 

Atanásio nasceu no Egipto, em Alexandria, no ano 296. Era diácono aquando do I Concílio Ecuménico de Niceia que teve lugar em 325. Acompanhou o bispo S. Alexandre, como seu assessor. Neste Concílio foi reafirmada a divindade de Cristo, que os arianos pretendiam ser inferior à de Deus Pai. Também aqui se definiu o Credo, que nós continuamos a rezar. Atanásio argumentou primorosamente e os argumentos apresentados pelos arianos foram por ele refutados brilhantemente, com clareza e evidência, o que espantou e surpreendeu todos.
Tornou-se bispo de Alexandria em 328, sucedendo a S. Alexandre, apenas com trinta e um anos de idade. Dirigiu a Igreja de Alexandria por quarenta e seis anos, num período de sofrimento e perseguições, sendo um incansável defensor da doutrina dos Apóstolos.
Foi perseguido por imperadores e pelos arianos e foi quatro vezes para o exílio, mas regressou e viu triunfar a doutrina de Cristo. Nestes exílios, refugiava-se no deserto, onde conheceu e conviveu com Santo Antão. Deixou inúmeros documentos escritos e é um dos quatro grandes doutores da Igreja.
Morreu com setenta e sete anos, reconhecido por toda a Igreja.

Patriarca de Alexandria.

Do Tratado de Santo Atanásio, "Contra os pagãos":

   O Pai de Cristo, santíssimo e imensamente superior a todas as coisas criadas, como ótimo timoneiro, pela sua sabedoria e pelo seu Verbo, Cristo Nosso Senhor e Salvador, governa, dispõe e executa sempre todas as coisas de modo conveniente, como Lhe parece justo. Ninguém certamente negará a ordem que observamos na criação, porque Deus assim o quer. Se a criação se movesse ao acaso e sem ordem, nenhuma fé mereceriam estas afirmações. Mas se, pelo contrário, o mundo foi criado com ordem, sabedoria e prudência, e foi ornado de toda a beleza, temos necessariamente de admitir que o seu autor e artífice não é senão o Verbo de Deus.

Oração:

Ó Deus, por intercessão de Santo Atanásio, eu Vos peço, Senhor, fidelidade e perseverança nos ensinamentos de Jesus, e que eu possa também ser, no dia a dia, testemunho de vida cristã. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.

sábado, 6 de junho de 2015


 SÃO JOSÉ  OPERÁRIO - dia 1 de maio




O Papa Pio XII, em 1955, instituiu a festa de São José Operário, na mesma data em que se celebra o Dia do Trabalhador.
São José foi um trabalhador incansável, na sua atividade de carpinteiro. Jesus foi um trabalhador incansável para salvar os homens do pecado e lhes dar a consciência do seu real valor. É realmente muito apropriada a escolha do dia em que se celebra o trabalhador, a luta pelo trabalho e por uma vida digna, que São José seja lembrado.
Este é também o dia em que a Igreja lembra e homenageia o fatídico primeiro de maio, em Chicago, em que vários operários de uma fábrica se revoltaram contra a forma desumana como eram tratados e o desrespeito dos patrões pela sua sua condição de homens com direitos. Eram trezentos e quarenta os que estavam em greve e foram massacrados pela polícia a mando dos patrões. Cinquenta ficaram gravemente feridos e seis foram assassinas nos confrontos.
São José é o modelo de operário, sustentou a sua família durante toda a vida com o seu trabalho, cumpriu os seus deveres para com a comunidade, ensinou ao Filho a profissão de carpinteiro e, desta forma, permitiu que todas as profecias se cumprissem e que a humanidade fosse salva.
Ao proclamar São José como protetor dos trabalhadores, a Igreja dá-nos um patrono exemplar, um homem que aceitou ser pai adotivo do Filho de Deus e que deu o exemplo de um bom pai e de um bom trabalhador.

Oração para pedir emprego:

Ó meu querido Santo Trabalhador, que em vida fizestes a vontade de Deus através do trabalho, abre as portas do comércio para que eu possa conseguir um emprego. Dai-me força e coragem para não desistir ao primeiro não. Que eu tenha a disposição de Santa Teresa d'Ávila, a simplicidade de Maria de Nazaré e a força de Santo António. Meu São José, padroeiro dos trabalhadores, não me deixes sem o pão nosso de cada dia e sem perspetiva de um novo dia para a minha família. Prometo, com o dinheiro do meu futuro emprego, ajudar uma instituição de caridade e divulgar esta devoção. Por Cristo Nosso Senhor. Ámen.



quarta-feira, 3 de junho de 2015


SÃO PIO V, Papa - dia 30 de abril


Em Bosco Marengo, na província de Alexandria, foi onde veio ao mundo António Miguel Ghislieri, no ano de 1504.
Entrou para a Ordem de S. Domingos com apenas sete anos e, alguns anos mais tarde, foi ordenado sacerdote. Teve uma carreira vasta, diversificada e fulgurante. Foi professor, prior de convento, superior provincial, inquisidor em Bérgamo e Como, foi bispo de Sutri e Nepi, depois cardeal, grande inquisidor, bispo de Mondovi e, finalmente, papa em 1566. Escolheu o nome de Pio V.
Foi um grande reformador de costumes e, por isso mesmo, se tornou incómodo para muita gente. Assim que ocupou o cargo de Papa foi visitado por inúmeros parentes em busca de um "emprego".  Não aceitou nenhum pedido e afirmou mesmo que, sendo alguém parente do papa e não estando na miséria, já era bastante rico. Assim, acabou com o nepotismo na Igreja e implantou ainda outras mudanças, aprovadas no Concílio de Trento: a obrigação de residência para os bispos, a clausura dos religiosos, o celibato e a santidade de vida dos sacerdotes, as visitas pastorais dos bispos, o incremento das missões e a censura de publicações, para que não contivessem material doutrinário não aprovado pela Igreja.
Conseguiu a união dos países católicos, triunfando sobre os turcos e muçulmanos invasores e decretou a excomunhão e deposição da rainha de Inglaterra, Elisabeth.
Depois de tanto trbalho e tantos feitos, o  Papa Pio V morreu no dia primeiro de maio de 1572 e foi canonizado em 1712. Depois  da reforma do calendário litúrgico, passou a ser festejado no dia 30 de abril.

Oração:

Meu Senhor e meu Deus, que destes ao nosso Papa São Pio V muita luz para guiar o rebanho de Cristo, ajudai-me a ser um verdadeiro guerreiro das causas da Igreja e de Cristo. Pela intercessão de São Pio V, rogo-Vos a graça de uma fé profunda e perseverança na oração, pois somente assim permanecerei intimamente ligado a Vós. Por Cristo Nosso Senhor. Ámen.



terça-feira, 2 de junho de 2015


SANTA CATARINA DE SENA - dia 29 de abril

 

Catarina nasceu em 25 de março de 1347, na cidade de Sena, em Itália.Os pais eram muito pobres e ela era um dos vinte e cinco filhos do casal. Não é difícil imaginar como deve ter sido difícil a vida de Catarina, que cresceu franzina e sempre doente. Também não pôde estudar e ficou analfabeta. Mesmo que a sua saúde fosse diferente, a sua missão evangelizadora tê-la-ia debilitado.
Desejando um caminho de perfeição, com sete anos de idade consagrou-se a Deus. Durante as suas orações contemplativas e penitências, tinha visões. Aos quinze anos, a jovem ingressou na Ordem Terceira de São Domingos. Nessas suas orações contemplativas, envolvia-se em êxtase, facto que lhe permitiu converter centenas de almas ainda na juventude.
Já adulta, começou a ditar cartas ao povo, orientando as suas atitudes e chamando-os à caridade, ao entendimento e à paz. Foi nessa altura que enfrentou o cisma católico, dificuldade que não se julgava ultrapassável Dois papas disputavam o poder, dividindo a Igreja e fazendo sofrer todos os católicos. Catarina viajou por Itália e por outros países, ditando cartas a reis, príncipes, governantes, cardeais e bispos e conseguiu que o papa legítimo, Urbano VI, retomasse a sua posição e voltasse para Roma, pois havia setenta anos que o papado estava em Avignon, França.
Mais uma grande dificuldade enfrentou Catarina, com firmeza e serenidade: a peste que matou um terço da população europeia. Ela tratou doentes, com as suas mãos e com orações e converteu mais umas centenas de pagãos. Continuou a sua missão, com força e determinação, sendo um exemplo de uma mulher que estava muito à frente do seu tempo.
Ficaram para a posteridade, obras literárias ditadas e editadas, de grande valor histórico, místico e religioso, um dos quais o livro Diálogos Sobre a Divina Providência que, ao longo dos séculos tem sido lido e estudado.
Catarina de Sena morreu no dia 29 de abril de 1380, tinha trinta e três anos de idade, repetindo: "Se morrer, sabeis que morro de paixão pela Igreja". Os seus restos mortais foram divididos, a cabeça encontra-se em Sena e o seu corpo está em Roma, na Igreja de Santa Maria Sopra Minerva. O Papa Paulo VI intitulou-a Doutora da Igreja em 1970.

Oração:

Ó Catarina de Sena, notável Santa, que à força da tua palavra não resistem os corações dos pecadores e alcançam o Reino dos Céus, pela tua fé ardente e pela tua insistente oração. Como outrora, faz sentir hoje o poder da tua intercessão, para fortalecer a frágil paz entre os homens, libertar as vítimas de injustiças e todos os oprimidos por qualquer adversidade. Conforta e cura os que sofrem dos males do corpo e da alma. Roga a Jesus Cristo, Supremo Pastor, pela paz do mundo e pela unidade e fidelidade do povo de Deus, a Igreja. Pede também pelo bem da nossa pátria, finalmente, recorda-te também de mim, que te invoco com fé, sabendo que nunca abandonas na dificuldade, os que te consideram como mãe e mestra. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.

quarta-feira, 27 de maio de 2015


SÃO PEDRO MARIA CHANEL, presbítero e mártir - dia 28 de abril


Pedro Maria Chanel nasceu em França, em Cuet, dia 12 de julho do ano de 1803. Em 1824 ingressou no seminário de Bourg e foi ordenado sacerdote três anos depois. Foi vigário de Amberieu e de Gex. Posteriormente, entrou para a Sociedade de Maria sob orientação  do padre Colin.
Desde jovem que acalentava o desejo de ser missionário e a oportunidade surgiu em 1837, quando partiu com um confrade leigo, Nicézio,  para a pequena ilha Futuna, no arquipélago de Tonga e que fica no Oceano Pacífico. A sua mensagem surtiu de imediato grande efeito junto da população jovem da ilha. Mas teve de enfrentar a oposição dos líderes mais antigos que viam uma ameaça contra os seus costumes nas pregações do "sacerdote branco". Foi avisado por amigos do risco que corria se não abandonasse a ilha, mas Pedro Chanel resolveu arriscar e continuar a pregar.
No dia 28 de abril de 1841 foi morto, a bordoadas de tacape. O seu sacrifício não foi em vão pois a semente que deixou germinou e todos os habitantes se tornaram cristãos.
O novo mártir cristão foi beatificado em 1889 e inscrito no Martirólogo Romano em 1954.

Padroeiro da Oceania.

Oração:

Ó Deus de admirável providência que, no mártir São Pedro Maria Chanel, destes ao vosso povo pastor corajoso e forte, concedei-nos, pela sua intercessão, ajuda nas tribulações e firme constância na fé. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Ámen.

 


terça-feira, 26 de maio de 2015

 SANTA ZITA, virgem - dia 27 de abril

 

Zita nasceu na Itália, em Monsagrati, perto da cidade de Lucca, no ano 1212. Era filha de camponeses e, com apenas doze anos de idade, foi trabalhar como empregada doméstica para casa de uma família rica.
A sua vida pautou-se sempre por perceber o que agradava ou não ao Senhor, e proceder escolhendo o que o seu coração dizia. Foi incumbida de distribuir as esmolas todas as sextas feiras. E dava do pouco que tinha, da sua roupa, da sua comida, do seu dinheiro. Diz-se que um dia foi surpreendida enquanto socorria os necessitados, mas o que transportava no seu avental transformou-se em flores.
Foi empregada doméstica até aos sessenta anos e, na hora da sua morte, tinha a seus pés toda a família Fantinelli, a quem servira toda a vida. Partiu no dia 27 de abril de 1278, para a Glória do Senhor.
Em vida, recebeu inúmeras graças especiais, para si e para as pessoas com quem convivia.
Foi canonizada em 1696, pelo Papa Inocêncio XIII, e o seu corpo continua totalmente preservado. O Papa Pio XII proclamou-a padroeira das empregadas domésticas do mundo inteiro.

Padroeira das empregadas domésticas, das donas de casa e dos criados.

Oração:

Ó gloriosa Santa Zita, que tão bem soubeste aliar a vida de trabalho à vida de oração, dando como Maria o coração a Deus, e como Marta, os braços ao próximo, alcançai-me de Deus Nosso Senhor, esta ciência divina dos santos: a graça da santificação do trabalho pela vida de fé, uma fé viva que ensine a ver nos homens e nos seus atos a mão da Providência, que pelo calvário e pela cruz me quer conduzir ao triunfo da Ressurreição gloriosa da bem-aventurança. Por Cristo Nosso Senhor. Ámen.

 

segunda-feira, 25 de maio de 2015


SANTO ANACLETO - dia 26 de abril


A história deste santo, que também foi papa, aprarece-nos descrita de forma confusa. Ele é ou o Papa Anacleto ou o Papa Cleto e que são celebrados até em dias diferentes: 26 de abril e 13 de julho, respetivamente. E esta confusão vai-se adensando, século após século, à medida que se vai narrando a história das suas vidas.
O papa Anacleto (ou Cleto) era grego e foi o sucessor de São Lino, foi o terceiro papa da Igreja de Roma, governando entre os anos 76 a 88.
Durante onze anos viveu em  intensas atividades,  numa época de oscilação entre paz e perseguição aos cristãos, no reinado do imperador Vespesiano e dos seus dois filhos que lhe sucederam, Tito e Domiciano, período em que os cristãos acreditavam que  estava próximo o fim do mundo e o juízo fina, segundo a pregação de  João Evangelista.
Foi também durante o seu papado que o Vesúvio acordou e se registou a sua histórica erupção. Ordenou vinte e cinco sacerdotes em Roma e sancionou a veneração ao túmulo de São Pedro, construindo um monumento sobre a sua sepultura.
Nos textos de Santo Ireneu se pode confirmar a sua eleição como Anacleto I ou Cleto, daí a confusão de se julgar serem duas pessoas diferentes.
Morreu em 88, durantes as perseguições de Domiciano, tornando-o um mártir da Igreja Católica. Foi sepultado ao lado de São Pedro.
São-lhe atribuídas uma série de orientações que condenam o culto de objetos "mágicos e de feitiçaria" e de aceitar comida que tenha sido oferecida aos deuses pagãos. Também se lhe atribui a instauração da "Saudação e Bênção Apostólicas" na abertura das mensagens papais.

Oração:

Glorioso e Eterno Senhor, peço-Vos, pela intercessão do Vosso servo, o Papa Santo Anaclato, que construiu o túmulo de São Pedro, nosso primeiro Papa, a graça de ser sempre um defensor do papado e de cumprir, com zelo apostólico, os deveres do fiel cristão. Por Cristo Nosso Senhor. Ámen.

sexta-feira, 22 de maio de 2015


SÃO MARCOS, Evangelista - dia 25 de abril





Marcos, ou João Marcos, era um judeu da tribo de Levi, filho de Maria de Jerusalém e, segundo os historiadores, terá sido batizado por Pedro. Fazia parte de uma das famílias cristãs mais antigas de Jerusalém. Ainda era pequeno e já a sua casa era um local de encontro e de reunião dos apóstolos e dos primeiros cristãos. Foi em sua casa que Jesus Cristo celebrou a última ceia, quando instituiu a eucaristia e, foi também ali que os apóstolos receberam a visita do Espírito Santo depois da ressurreição de Cristo.
O evangelho de São Marcos é o mais curto, mas a sua visão é muito especial pois desde criança conviveu com Jesus e também muito novo acompanhou a Sua paixão.
Marcos foi com São Pedro a Roma, na altura em que começava a preparar o segundo Evangelho. Aqui prestou também serviço a São Paulo, durante a sua primeira prisão. Quando Paulo foi preso pela segunda vez, escreveu a Timóteo e pediu-lhe que lhe enviasse Marcos para o ajudar no apostolado.
Escreveu o Evangelho a pedido dos fiéis romanos e seguindo os ensinamentos de São Pedro que, não só aprovou o que Marcos escreveu, como ordenou que fosse lido nas igrejas.
Começa o seu relato com a missão de João Baptista, cuja "voz clama no deserto". Daí ser representado com um leão a seus pés porque, segundo a visão do profeta Ezequiel, o rugido do leão faz estremecer o deserto.
Com o Evangelho, partiu em missão, a espalhá-lo por onde pôde. Diz-se que Marcos, depois da morte de São Pedro e São Paulo, ainda viajou para pregar no Chipre, na Ásia Menor e no Egito, em especial em Alexandria onde fundou uma das igrejas que mais frutos deu.
Diz-se também que foi martirizado no dia de Páscoa, enquanto celebrava uma missa. As suas relíquias foram trasladadas por mercadores italianos para Veneza, cidade que é a sua guardiã e da qual São Marcos é padroeiro desde 828.

Padroeiro dos secretários e da cidade de Veneza.

Oração:

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo, que deu a Seu discípulo Marcos a graça do apostolado cristão e a narração do Seu Santo Evangelho. São Marcos, rogai por nós, para que sejamos iluminados pela força do Evangelho. Ámen.